Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2008

script too long (not sex)




once upon a time…

 


… havia um gajo que acreditava que a vida, chegada ao nível de ter uma mulher bonita (e jeitosa), uma boa casa (e bem recheada) dois bons carros e um emprego onde ganhasse bem… além de uma conta bancária confortável,  teria atingindo o seu cume e que, daí para a frente, era tudo uma questão de manter esse status.

a vida estaria “feita” e… mais electrodoméstico, mais "aparelhómetro hi-tec", mais PPR, mais uma ou outra festa… o futuro estava garantido.

 

tudo decorria maravilhosamente até que um dia… o gajo sentiu que lhe faltava “alguma coisa”… chateava-o que, apesar da muita experiência profissional acumulada e de desempenhar a sua profissão como poucos, era sempre um “gajo de 2ª” por não ter a tal coisa do “canudo”, etc… o que, claro, se repercutia também no que ganhava.

 

então… um dia decidiu-se, procurou uma solução para o seu caso e… voltou a estudar.

não foi fácil, já não era “miúdo” nenhum, descobriu que todas as formações “oficiais” que tivera  de nada valiam (puras “tretas” para alguém sacar fundos à U.E.), teve de repetir velhos anos de escola para conseguir nota, fez autênticos malabarismos para iniciar um curso… tudo feito enquanto trabalhava e tentava manter a vida que tinha.

 

evidentemente que, conforme mais avançava, mais as coisas se adensavam e mais exaustivas se tornavam.

estava menos tempo em casa, percebeu o quão oneroso é estudar em Portugal e as despesas aumentaram, o esforço para trabalhar parecia-lhe agora muito maior.

 

onde tirava o curso sentia-se “aluno de 2ª”, ouvindo muita vez comentários que mais o incitavam a desistir do que a resistir… na empresa onde trabalhava começou a ser criticado por “baixar de rendimento”, o que era falso e só havia surgido depois de descobrirem que tentava tirar aquele curso… desistira de algumas actividades de que muito gostava para libertar tempo para o estudo ou para a esposa… conteve radicalmente as suas despesas pessoais, as “miudezas” que lhe davam gosto…

 

mas, o pior, foi o aumento gradual da pressão da esposa para que abandonasse os seus intuitos !  foi o mais difícil de “engolir”…

pois era por ela, também, que ele se lançara naquele desafio.

e agora, era acusado de só pensar em dinheiro e de o colocar em primeiro plano, ao mesmo tempo que era também acusado de fazer baixar o nível de vida do casal, de faltar em casa, de estar a afastar amigos, de estar a desfazer a vida social do casal, etc…

só mais tarde veria o contraditório que essas queixas encerravam.

 

era verdade que, agora, tinham de contar o dinheiro com mais rigor, que não saíam com a frequência anterior, que entre trabalho e estudo ele pouco estava em casa e que, em virtude disso, os amigos já só raramente eram recebidos lá em casa, assim como pouco iam a casa de alguém.

mas… ele continuava a amá-la, fazia os possíveis por agradá-la e dar-lhe atenção, o sexo não lhes faltava e… no geral, achava que a sua vida continuava com a mesma qualidade de antes… apenas mais comedida.

considerava que ela era das melhores mulheres ao de cima da terra, que apenas estava um pouco receosa daquela mudança tão desgastante na vida de ambos, alarmada com os obstáculos que entretanto (e surpreendentemente) se haviam levantado à iniciativa dele… que tudo se haveria de resolver, como sempre haviam resolvido.

para mais… não podia desistir… não agora… estava a meio, se haviam resistido ao início e até ali, haveriam de resistir a tudo.

 

naquela altura… tinha economias que lhes permitiriam resistir uns 6 meses, mesmo que as coisas corressem da pior forma possível.

desde que continuassem no seu nível de vida… não seria economicamente que receariam os tempos mais próximos.

 

foi com surpresa que ouviu a esposa queixar-se de que “tinha ela” de arranjar um emprego, que a vida de ambos se estava a “degradar” e imensas outras coisas pouco agradáveis.

falaram demoradamente sobre isso, fizeram “apanhados” do que até ali sucedera e etc, mas, ela insistiu em voltar a trabalhar.

ele nunca se opusera (ou se oporia) a que ela tivesse um emprego e… se assim ela achava que a vida de ambos melhoraria, por ele, tudo bem.

arranjou-lhe até um emprego numa empresa cliente da empresa em que trabalhava.

 

as coisas pareceram estáveis durante uns tempos até que as suas “faltas em casa” aliadas a uma traição dele, feita anos atrás, foram mote para recriminações e desconfianças cada vez mais constantes, cada vez tão mais disparatadas quanto ofensivas.

a custo, conseguiu lidar com tudo isso durante longos meses, mas… esse ano estava destinado a ser-lhe negro.

 

a morte de um familiar a quem amava quase como "um pai" destroçou-o e durante largos meses tudo em seu redor sofreu bastante com esse facto – não tinha paciência para as cenas da esposa, nem dos seus “chefes” idiotas e já nem no estudo encontrava alegria.

poucas pessoas o entenderam nessa altura e… a esposa não foi uma delas.

 

em seguida, um episódio desagradável ocorrido na empresa foi-se insinuando e corroendo o seu estatuto lá…

com uma mera promessa de um amigo para uma outra empresa, apresentou a demissão, tendo ficado dois meses sem emprego.

mais uma vez… poucas pessoas teve a seu lado e mais uma vez teve a oposição e a incompreensão da esposa.

o ano do curso estava, literalmente, perdido !

 



pormenor de capa "music for the jilted generation", Prodigy

 


uma noite, de regresso a casa despistou-se, desfez o carro, esteve três dias em coma…

ainda em convalescença teve de lutar com invenções de “tentativas de suicídio” que convinham a companhias de seguros e foi contra indicações do médico que se apresentou ao serviço na empresa do amigo…

poucos dias depois um outro amigo, de longa data, suicidava-se por não suportar mais a doença terminal de que padecia há uns anos… ironicamente, ao mesmo tempo que descobria que a mulher o vinha atraiçoando em várias ocasiões com diversos homens.

 

pediu à mulher que saísse de casa (sim, “pediu”)...

não a podia nem ver !…

em poucos meses tornou-se um “bicho”, que trabalhava do levantar ao deitar, que se tornou psicologicamente dependente da medicação, que hostilizou “meio mundo” em seu redor, incluindo um dos seus amados irmãos…

os problemas caíam-lhe em cima com tal frequência, com tal diversidade e com tamanha voracidade, uns por verdadeira “abutricidade”, outros por seu desleixo ou má reacção que, se não fosse um Amigo com um coração enorme e muita sapiência em leis… teria sido disputado aos pedaços.

 

a esposa pediu-lhe para regressar a casa, pediu-lhe perdão, prometeu-lhe ajuda…

na verdade… apesar de tudo, continuava a amá-la, sentia a sua falta e ainda a achava a melhor mulher que conhecera na vida.

mais uma vez… pouca gente o compreendeu, pouca gente o apoiou, muita gente o difamou e muitos “amigos” desapareceram nessa altura… “não era de homem, era corno e gostava” e muitas outras pedradas nos seus telhados de vidro…

 

contra tudo e contra todos, recebeu a mulher de volta…

ela pedir para voltar no pior momento da vida dele, amoleceu-lhe o coração, fê-lo querer “descansar” pondo coisas para detrás das costas, nem sequer questionando nada em demasia, não a recriminando, nem sequer tentando perceber se a perdoava ou não… apenas, não queria falar nisso, queria pretender que nada sucedera.

 

por iniciativa sua, vendeu alguns bens da casa para enfrentar dívidas que se haviam acumulado (algumas surgidas como que por magia), interrompeu o curso por mais um ano, tentou relativizar o seu casamento, investiu forte no seu novo emprego, fez as pazes com o irmão, tentou reequilibrar-se…


o tempo aparentava ter voltado ao velho compasso, ainda que os tempos seguintes tenham sido nebulosos, confusos, indo de extremo a extremo, da dormência da monotonia à demência do bizarro, em todos os aspectos da vida.

quando voltou a estudar… foi de forma muito diferente da primeira vez… quase sem condições algumas, de mente confusa, saltando de sacrifício em sacrifício e… não fosse o apoio do seu novo patrão (não propriamente da firma, mas sim daquela pessoa especificamente) tudo teria ruído novamente !

o tempo passou…

 

com o curso praticamente terminado, percebeu que, se quisesse ir mais além… teria de fazer novos sacrifícios, de pedir e aceitar mais favores.

mais uma vez, a sombra da morte apanha-o de surpresa… um avô e a sua madrinha morrem com intervalo de uma semana, de formas inesperadas e mais uma vez se sente destruído por dentro.

coincidência ou não, uma mazela insuspeita deixada pelo acidente leva-o de volta ao hospital em risco de vida e, como se costuma dizer, é por milagre que sobrevive.

a conclusão do curso fica adiada e novas descobertas de infidelidades da esposa tratam de “acabar” com o que resta.

 

tudo ao mesmo tempo…

um processo violento em tribunal, o processo de divórcio e duas “leituras de testamento”, do avô e da madrinha, que deixa quase inteiramente nas mãos do Amigo.

anda completamente “desvairado”, só quer trabalhar, “demitir-se” de tudo o mais e que o deixem em paz.


aí… comete demasiados excessos e o que lhe vale é ter um Amigo realmente íntegro, que lhe suporta a irascibilidade e mesmo a estupidez, que o confronta com sabedoria e o (re)orienta… que lhe trata do divórcio em tempo recorde, “segurando pontas”, adiantando aqui e atrasando ali, cortando vazas a oportunistas e assegurando-lhe o melhor interesse.

 

ora danado, ora desenraizado, ora alheado… é como um “autómato” que comparece às obrigações que o Amigo lhe marca.

tudo lhe é confuso, hipócrita, agressivo, calculista, chantagista…

 

até que finalmente, no espaço de uma semana, “cai em si”, toma noção da reviravolta radical na sua realidade.

está só, divorciado, com dívidas consolidadas, com emprego, com um curso quase terminado, com duas heranças na mão… com três amigos de verdade e a família a apoiá-lo.

foi como se um elevador que subia lenta e inexoravelmente se tivesse despencado subitamente no chão… como se tivesse descido um silêncio por sobre todo o mundo.

mas algo não batia certo…


as únicas coisas que lhe ocorriam eram, que podia acabar o curso como entendesse, sem mais críticas e recriminações e… que apenas desejava que o deixassem em paz.

não sentia porém, no seu íntimo, nenhum júbilo por essas coisas, dava por si a chorar em silêncio, sem razão aparente, sem saber se era pelas venturas ou pelas desventuras – simplesmente, sentia-se... a chorar de repente.

 

o seu novo patrão, surpreendentemente, dedicou-lhe uma tolerância e uma compreensão que, como “patrão”, não lhe incumbia e… acabou tornando-se um amigo.

um amigo que, muito honestamente, ele não merecia naquele momento, que indubitavelmente Amigo se tornou ao persistir nele e por ele.

 

a sua vida profissional (o seu desempenho principalmente) era uma manta de retalhos que ele “mantinha”… não “desenvolvia”, estava longe de ser bom profissional.

mas… ia-se recompondo e ia compensando.

já por oposição, a sua vida afectiva descia pelo cano abaixo, restringindo-se apenas aos familiares mais próximos e quase por “obrigação”.

 

depois de vários meses literalmente “monásticos”, enveredou pela vida nocturna totalmente desregrada… álcool em cascata, sexo de qualquer forma e feitio, umas “drogazitas” leves só para “brincar”…

descobrir que o seu melhor amigo desde a infância, quase um irmão, lhe havia também andado a “comer a esposa arrependida”, já depois de ele a aceitar de volta, no próprio leito “conjugal” e até mesmo enquanto estivera no hospital… foi como ligá-lo a um reactor !...

 

sentiu-se o ser humano mais “fodido” do planeta, a quem toda a gente sodomizava e defecava em cima de seguida!...

mulheres… eram todas putas ; homens… todos uns filhos delas ; amigos… eram uma miragem…

mergulhou em ódio, em raiva, em auto-comiseração… foi hipócrita, cínico, hostil, pelo puro prazer de assim se sentir, do poder em o ser... de se vingar, não importava de quem...

desapareceu de junto da família, dos verdadeiros (poucos) amigos…

amigalhaços eram às resmas, mulheres aos cachos, álcool, drogas e sexo em catadupa, ia da “noite” para o trabalho, passando pelo duche e pelos comprimidos.

era um suicida latente que rosnava como um doberman a quem disso o avisava...

 

uma manhã soalheira… acordou novamente em cama de hospital.

a primeira pessoa que viu, foi a mãe… e a pior dor que sentiu, foi vê-la com um ar de cadáver !


 

 


 "man" - arte de Fiona Robson


[ º º º ]


tempos depois, provavelmente numa outra manhã mas de luz leitosa…

acordou em casa, num silêncio absoluto...

tinha o seu almejado curso tirado com o seu esforço e não com facilidades dadas por heranças… tinha o emprego que “amigo/patrão” lhe segurara, tinha dele também a proposta para um novo emprego mais aliciante… tinha uma família firme e três crianças maravilhosas… tinha poucos amigos mas bons, um dos quais um autêntico paladino… tinha o corpo curado… tinha bens e dinheiro.

e muito importante… tinha a sua auto-estima !

 

estranhamente… sentiu alegria por ter sido um “merdas”.

e resolveu fazer de si aquilo que sempre havia querido ser, fazer as coisas que sempre havia querido fazer e a vida que merecia e que devia ter.

 

talvez tudo isto, pensarão vocês, desse um bom filme…

talvez  um melodrama daqueles à Bollywood ?!...

...okay, poderá ser… mas arranjem outro “actor”, que este gajo não quer reviver o papel !...


quer viver e isso… é sempre para a frente, sem fitas !

 



adaptação de fotografia de  Chris Howells


 


nem tudo se consegue apenas porque se tem dinheiro…

mas muita coisa se consegue se tivermos coragem em vários aspectos !

se temos quem pareça apostado em destruir-nos a vida…

temos de prestar atenção e dar o devido valor a quem nos quer ajudar.

se ficarmos encerrados em vitimização

acabamos realmente vítimas, mas de nós próprios !

se por cada mal que nos fazem,

quisermos honestamente fazer um “bem” a alguém…

ao invés de apenas arquitectarmos vinganças e desprezos…

se conseguirmos voltar a gostar de nós próprios…

se conseguirmos voltar a aceitar a mão de alguém…

conseguiremos voltar a acreditar em muitas coisas

de que, realmente, não podemos prescindir !

inevitavelmente iremos crescer, amadurecer e viver !

“sobreviver” é um estágio… não um fito, esgotado em si próprio !

porque muitas das vezes em que achamos que “perdemos a vida”…

é apenas sinal de miopia...

de nem sequer olharmos ao nosso redor...

e de cedermos ao “já não acredito” !

 

talvez que o melhor voto que vos possa dedicar,

neste ano novo ou em qualquer outro, seja tão simplesmente…

que acreditem em vocês próprios.

 

 

 

este artigo é para todos vós…

que aqui me vêm ler com assiduidade e que,

de alguma forma, sinto gostarem de mim.

mas peço-vos que não me entendam mal...

por vir a fazer algumas dedicatórias.


 


sinto-me: ( ... )
música: Nasce Selvagem - (Delfins)

publicado por sextrip às 19:47
link do post | comenta a Trip | adicionar aos escolhidos
|
47 comentários:
De Infiel a 2 de Janeiro de 2008 às 20:46
tenho-te seguido e se não tenho comentado é mesmo por falta de tempo

este teu post, recorda-me uma outra historia de vida

só quando perdemos tudo, damos mais valor ao que temos, quando a vida nos obriga a parar, é que abrimos os olhos para o que é realmente importante
por mais que se leia, se escute.... se não se sentir, nada faz sentido!

Nós somos a pessoa mais importante da nossa vida, amigos verdadeiros existem, amor, existe, podemos ser atraiçoados, derrubados mas, a força está dentro de nós, e o ser humano é capaz de tudo
Depende de cada um sentir e querer sentir essa sua força

Um abraço




De sextrip a 3 de Janeiro de 2008 às 10:56
querida Infiel...

poderás dizer-me "ah, estás muito enganado" ou outra coisa no género e eu só terei de o aceitar... mas... isto é o que sinto, desde há bastante tempo :

"… à Infiel, por a sentir como uma pessoa com tristezas na alma com as quais luta e que busca coragem em todas as coisas para se manter à tona – a quem desejo que nunca baixe a guarda, a quem desejo que acabe por se cruzar com quem a queira e saiba amar incondicionalmente."

º

há muitas outras histórias como a minha, com mais ou menos pormenores... e tu tens a tua.
sim, a amizade existe !
sim, o amor existe !
agora tens um pouco mais da minha.
um abraço e beijos.


De Infiel a 3 de Janeiro de 2008 às 13:20


o teu desejo é de coração mas ninguem ama incondicionalmente já que eu deusa não sou
a minha coragem e alegria de viver faz parte da minha personalidade e sinto essa força em tudo quanto faço

obrigado por sentires as minhas tristezas mas sem elas não teria descoberto tantas alegrias

que os verdadeiros amigos se mantenham na nossa vida

Um sorriso de mim para ti




De bombocaa a 2 de Janeiro de 2008 às 22:44
Parabéns...nem sempre se consegue "REVIVER"..tiro-te o chapéu...
kissinho


De sextrip a 3 de Janeiro de 2008 às 10:58
conseguir reviver... faz parte de um processo Bolota.
o resultado desse processo é que varia.
beijos


De Agapi mou a 2 de Janeiro de 2008 às 23:19
Triste, mas bonita história!

Sabes? A vida sem dificuldades, sem lutas não é realmente vida!
É com a dor que se aprende, que se cresce...
E é tão bom crescer....!!!!

Felecidades!!


De sextrip a 3 de Janeiro de 2008 às 11:02
olá Eu Confesso, bem vinda...

de certa forma... um "idem" àquilo que respondi à Bolota.
com a dor se aprende e se cresce... ou se definha e se "morre" em vida.
depende...
beijos


De Agapi mou a 3 de Janeiro de 2008 às 21:40
Estive a pensar melhor na tua história!
Pensar que tudo se começou a precipitar quando um "Gajo" deciciu querer tirar um curso...

Sentias-te de 2ª....

Tinhas razão!!

Da minha parte também só me senti completa em termos de formação PESSOAL quando conclui a minha licenciatura.

Eu acho uma licenciatura muito importante, não pelo canudo! Mas sim pelo conhecimento, pelo enriquecimento pessoal.

Os diamantes só deixam de ser brutos e ficam lindos e polidos quando passam pelas universidades.

Parabens pela força!!!


De Paula a 4 de Janeiro de 2008 às 09:09
Bom dia,

Não quero por a foice em ceara alheia ,mas não resisto a responder ao seu comentário ( Eu confesso).

Acho lindamente que em termos de realização pessoal e profissional se tire uma licenciatura doutoramento ou lá o que seja, até porque sempre ouvi dizer que saber não ocupa lugar ,e nunca é de mais investir na nossa formação .

(Os diamantes só deixam de ser brutos e ficam lindos e polidos quando passam pelas universidades)
lamentavelmente ainda muita gente pensa assim... que ,neste caso as (pessoas) ficam lindas ou lapidadas depois de um passagem pela faculdade com um curso superior na mão.

Não é assim de todo, a beleza de cada um está em si próprio , e o lepidamente " se assim se pode dizer aprende-se todos os dias , no tratamento com o próximo , vem de trás, de casa com os ensinamentos recebidos ao longo da nossa formação.

As pessoas mais interessantes e cultas que conheci ao longo da minha vida (e já foram algumas) não tinham curso superior , e nem por isso estavam em "bruto" ou não seja a vida a melhor de todas as escolas e onde podemos adquirir todo o tipo de conhecimentos, não só numa área especifica com um canudo.

Poderia falar aqui de varios exemplos que tem passado "passaram por aqui pela empresa" que de polidos não tinham nada , apenas um canudo na mão...

Existem pessoas , se temos uma formacão especifica que nos enriquece em determinada area,optimo , para quem não tem o brilho continua lá....

Bravo que se invista na educação, formação , Portugal ) esta na cauda da Europa em termos de analfabetismo , temos um longo caminho por a frente.

Custa-me ouvir pérolas ) como :"Os diamantes só deixam de ser brutos e ficam lindos e polidos quando passam pelas universidades."

Tenha dó....

As minhas desculpas ao dono do blog.

Um excelente dia para todos


De Agapi mou a 4 de Janeiro de 2008 às 10:18
Olá!

Acho que fui mal compreendida!

O valor da pessoas é intrínseco a elas mesmas, não depende de cursos ou do quer que seja.

As pessoas não valem por terem cursos superiores ou não, as pessoas na minha opinião valem pelo seu carácter pela sua personalidade singular!

Aliás o que eu valorizo mais nas pessoas, o que mais me comove é a sua forma ser, de agir, GOSTO DE ALMA.

Mas acho que ter um curso superior é importante, unica e exclusivamente valorizo o conhecimento, valorizo o esforço e acho que frequentar um curso superior nos aperfeiçoa, nos torna melhores em alguma coisa.

Acho que quem por lá passou sabe do que falo!


De Paula a 4 de Janeiro de 2008 às 10:49
De novo sem querer ofender....

Valoriza sim, aperfeiçoa e ensina e ate nos torna melhores nas áreas especificas do nosso curso.

(dai a só ficar lindo e polido quando se passa por lá...)

Não quero de forma alguma ter que a desiludir , mas não sei mesmo do que fala (mesmo tendo passado por lá)

A menos que me queira explicar (como se eu fosse muito burra)

Sem ofensa claro, o burro é um animal muito nobre .

Tudo de bom para si


De supreme a 2 de Janeiro de 2008 às 23:50
Boas Sextrip!! Um óptimo ano para ti!

"sentiu alegria por ter sido um “merdas”.", claro que sim! porque "levou-o" aquilo que é hoje, o mesmo homem, novas ideias/mentalidade e muito "anticorpos" para o veneno da sociedade!!

Aquele abraço!


De sextrip a 3 de Janeiro de 2008 às 11:07
meu caro Supreme...

nunca duvidaria que o entendesses !...
acredito que, por isto:

"… ao Supreme, por o sentir em bastantes coisas como o gajo que eu fui alguns anos atrás, que infelizmente escreve pouco mas que muito se revela quando o faz, bem menos "superficial" do que possa aparentar a muitos."

sim, um abraço enorme... e que não desistas do teu blogue por mais "pouco tempo" que tenhas.


De Maaf a 3 de Janeiro de 2008 às 09:13
Não sei se recebeste o meu comentário (provavelmente não)...

Li o teu post todo, ontem à noite, NO TELEMÓVEL, não te sei dizer ao certo se no fim chorava de emoção ou de vista cansadissima...

Sim. Gosto muito de ti!


De sextrip a 3 de Janeiro de 2008 às 11:23
ora... temos aqui a principal "culpada" disto tudo !...

sei que gostas muito de mim !
sempre mo fizeste sentir, perceber... e sempre me senti muito bem por isso !

"… à Maaf, por a sentir como uma pessoa doce que se tenta entender a si própria, que tenta entender quem a rodeia... porque acredita que isso lhe fará a vida melhor, uma pessoa melhor – a quem desejo que nunca ninguém lhe desfaça essa tarefa nem lhe roube a alegria.
que gosta de mim desde a primeira hora e de quem sempre me senti o alvo feliz de uma curiosidade sã !"

º

com a tua idade... já pertences ao que chamo de "geração telemóvel" - portanto, essa desculpa da "vista cansadíssima" não pega !...

um beijo enorme e um abraço maior ainda.


De Maaf a 3 de Janeiro de 2008 às 11:25



De in_certezas a 3 de Janeiro de 2008 às 09:59
Historias de vida....
ninguem chega a determinada idade sem ter algumas ,umas mais sofridas do que outras, não importa porque razões , por algum motivo temos que passar por elas, é tão certo como as arvores abanarem com o vento...

(foi das coisas mais sentidas que tenho lido)
ir ao fundo do poço e voltar ter (amigos,familia) ajuda muito ,sozinho dificilmente se consegue.

os anos ensinam muitas coisas que os dias desconhecem..a ter maturidade humana...aprende-se que estar vivo é sensacional.

dificilmente se esquecem as lições aprendidas na dor.

se me permite um beijo com carinho.


De sextrip a 3 de Janeiro de 2008 às 11:45
olá In Certezas, bem vinda...

primeiro que tudo... quero dizer que sou muito curioso, que das primeiras coisas que faço quando alguém aqui entra é clicar no nick e ir espreitar o seu blogue (quando existe, claro) e... fico muito interessado em ler o teu !

º

são muito raras as pessoas que... "batendo no fundo" como se costuma dizer, se conseguem erguer por si só !
existem, mas são muito raras (daria azo a outro artigo).
serei porventura injusto, mas... quando oiço alguém arvorar semelhante coisa, não consigo deixar de pensar que estará a ser injusto e ingrato para outro "alguém", algures no tempo.

agradeço... esse beijo com carinho !


De sextrip a 3 de Janeiro de 2008 às 10:40
vai do coração para as teclas, que não vai lá de outra forma.
desculpem portanto, se o "discurso" sair porventura "desorganizado".

sempre recebi bastantes mails, de todos os géneros... entre eles e por vezes, alguns que me dizem coisas do género "tens tudo", "és um homem de sorte", "tens uma vida invejável".

nunca... ninguém... tem tudo !
sou um homem afortunado, sim... o que será algo diferente de ter "sorte", na minha forma de ver !
acredito que sim, que tenho uma vida "invejável" para muita gente !

mas sempre senti dentro de mim, ao ler este género de comentários : "mas isso não é tão linear quanto vos parece"! não há aqui "manás caídos do céu"...
e se sempre pensei em colocar um artigo assim, também sempre hesitei em colocá-lo e sempre acabei por desistir de o fazer !

a "intimidade" tem valores diferentes para cada pessoa e, para mim, este artigo é parte de minha intimidade !
muito mais do que qualquer outra coisa que vos tenha relatado !

as pessoas fazem blogues porque, apesar de ser variavel, se querem expor aos outros - eu não sou excepção.
apenas considerei que deveria haver um momento, mais ou menos "certo", para o fazer.

esse momento foi agora... por querer "no geral" vincar que, o que sou, que vos dei a ler desde o início deste blogue... não é um fenómeno de geração espontânea.
não acordei um dia e por artes mágicas resolvi ser assim nem desceram sortes de algures e me transformaram em 24 horas...
(por vezes cometem-se dessas ilusões)

por querer "em particular", perante determinadas pessoas que aqui me vêm ler desde o início e que de mim gostam, oferecer-lhes um pouco mais de mim, muito para além de aventuras, momentos bem passados e opiniões.
não porque essas pessoas incorram na mesma ilusão de me acharem fruto de "geração espontânea" (que não o julgam) mas porque quero que "juntem" isto... "àquilo" que elas já perceberam acerca de mim.

poderia ter feito "mails" e enviado especificamente a essas pessoas, não é ?!? poderão perguntar...
bom... não ! não é !

um bom dia para todos, beijos e abraços


De in_certezas a 3 de Janeiro de 2008 às 11:50
tudo o que escrevemos assim como o que fazermos tem uma razão de ser...(tem muito de nós)

vamos "seguindo" as pessoas..nem sempre o mais facil é ler nas entrelinhas , mas é sempre o mais certeiro.


De marta a 3 de Janeiro de 2008 às 10:41
Foi com uma enorme adimiração que te li!
Foi com um enorme carinho que te senti nas palavras!
Sabes, a dor é alquímica. E tudo o que chega no limite, vira no contrário! No fundo a vida só nos envia perdas, para nos obrigar a olhar para nós, para procurarmos dentro, para nos conhecermos e nos fortalecemos! E tira-nos coisas à pancada, mas para nos dar outras novas! Dói, dói muito, mas depois olhamos para trás, fortes e seguros e vimos que tudo o que vivemos afinal valeu a pena!
Um beijinho muito grande


De sextrip a 3 de Janeiro de 2008 às 12:04
olha a "Marta que se farta"...
(desculpa, sempre me apeteceu escrever isto...)

a Marta é uma das minhas leitoras mais recentes (digamos assim) de quem sou, um dos leitores mais recentes (acho), lol...
fui "espreitar" a Marta por causa de uma coisa que o Crestfallen escreveu acerca dela e que me espicaçou a curiosidade... e "fiquei", por lá.
(há quem diga que só lá vou porque a Marta conhece uma professora maluca de astrologia, mas... isso são as más línguas)

"... à Marta por a sentir uma mulher pacífica mas alerta e com reacção acertada na vivência com os homens, que sabe o que repudiar, o que criticar e o que abraçar... uma característica que prezo em mulheres que conheço."

º

um beijo para ti também, com carinho !


De marta a 5 de Janeiro de 2008 às 19:06
Olha babei-me com o teu comentário!

:)


De sextrip a 3 de Janeiro de 2008 às 12:37
esta, poderá parecer a dedicatória mais estranha, mas... aqui vai.

ontem à noite tive aqui em casa um gajo que é um abusador do caraças !!!...
chega aqui... bebe-me o whisky, atira-se à balda para cima dos sofás, desorganiza-me os cêdês todos, bebe-me o whisky, assalta-me o frigorífico e os aperitivos, fuma cigarrilhas umas atrás da outras, empesta-me isto tudo, vai para a varanda "galar-me" vizinhas e passantes, bebe-me o whisky, fala mal dos meus quadros, fala mal do meu carro, insulta os meus petiscos... uma desavergonhice total !!!
não bastando isto... mete o bedelho no meu computador, descarrega lixo pornográfico, lê-me o blogue com desfaçatez e... bebe-me o whisky !...

ontem, abriu no blogue e zás... vai de ler isto tudo...
assim mesmo, como vos digo, sem autorização nem nada... vai de ler !!!

por fim (eu vi...) clicou nos comentários... ficou pensativo, cabisbaixo, tamborilando na mesa...
fechou a área de comentários e voltou ao artigo... voltou a ler não sei o quê e tornou a abrir nos comentários... (fingi que estava a arrumar uns dvd's)... quando olhei, estava na mesma, a tamborilar na mesa...
depois fechou o blogue e foi até à varanda...

daí a pouco voltou para dentro.
"- com que então... a XXX foi ter contigo !!?..."
(é muito "espertalhão", o menino... a ver se pica...)
- quem disse que foi a XXX ?!? eu não fui de certeza !...
"- ohhh... vai à merda..."
(e bimba... outro whisky...)

falámos de ideias para este ano, de coisas do meu trabalho, do anti-tabaco, do Dakar, de mulheres, etc...
à saída... deu-me um abraço e disse-me apenas "és um gajo muita tramado...".

ADORO o gajo !!!


De Maaf a 3 de Janeiro de 2008 às 15:26
Sim. Como dedicatória: é estranha! Mas como descrição do teu amigo: Está o máximo...


De sextrip a 3 de Janeiro de 2008 às 17:59


o Nico (ou TT) conhece-me há 28 anos e sabe bem o que sinto por ele, mas... talvez seja sempre algo "estranho" lermos o que um amigo pensa de nós, como ele leu neste artigo.
ele sabe que eu sinto o quanto lhe "devo" !

já sei que irei levar uns calduços por empregar esta palavra, mesmo que entre aspas, porque ele não se sente como "credor", sente-se constrangido com isso e vai chagar-me a cabeça quando ler isto, mas... eu não sinto nada de mau em escrevê-lo !
antes pelo contrário...

(portanto, que venham os calduços... )

talvez seja difícil descrever o Nico, pois é a pessoa mais multifacetada que eu conheço, de quem tenho a felicidade de ser amigo e de ter como Amigo !
mas digamos que é homem para te enxugar as lágrimas com o gesto mais suave que possas imaginar e, em seguida, virar-se couraçado, brutal e armado até aos dentes contra 100 inimigos teus !
e isso Maaf... é fibra que já pouco se encontra !...

podem chamar-me "imparcial" à vontade...
ele irá chamar-me o mesmo... e "mariquinhas"... e mais uma dúzia de nomes feios... e depois bebe-me mais uma garrafa de whisky... e por aí afora !!!!


De Maaf a 4 de Janeiro de 2008 às 09:41
Ter amigos como o Nico, nos tempos que correm, é um verdadeiro EuroMilhões!!


De Maaf a 4 de Janeiro de 2008 às 09:42
Um beijo para o Nico!


De Genny a 3 de Janeiro de 2008 às 15:18
Olá José!
Desculpa tratar-te pelo teu nome, mas depois de uma leitura destas, achei que o devia fazer.
Descobri o teu canto ao ler o blog da Maaf, que também admiro. Passo aqui muitas vezes, leio e aprecio. Hoje não consegui passar sem deixar uma palavra. Um simples comentário a juntar aos bons comentários que os teus amigos te deixaram.
Parabéns!
Parabéns pela tua vontade de lutar por ti!


De sextrip a 3 de Janeiro de 2008 às 18:03
grato Genny e... sempre bem vinda mesmo que não comentes.


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 37 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.a vingança dos ursinhos...

.piaçaba

badge

.tags

. todas as tags

.ESCOLHIDOS

. Alguma vez amaste uma mul...

. Trintonas e boas!

. Destinatário Ausente (Ree...

. O perfil masculino ideal ...

. Deixem as crianças em paz...

. raríssimas

.links

.já tiveram uma trip

contador de visitas
contador de visitas

.em trip neste momento

online

.olha as horas !!!

relojes web gratis

.petição contra encerramento do Hospital Dona Estefânia

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

SAPO Blogs

.subscrever feeds