Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2008

hospital de dona estefânia - contra informação



o que se leu num Correio da Manhã :


« [...] A falta de uma UCI infantil é denunciada ao CM pelo cirurgião plástico Celso Cruzeiro, coordenador da Unidade de Queimados dos Hospitais da Universidade de Coimbra. Apesar de alertar as autoridades de saúde para o problema, não conseguiu inverter a situação. ”A inexistência de uma UCI é altamente prejudicial para as crianças, porque têm de ser tratadas nos serviços de cirurgia geral, como os adultos, sem que tenham um acompanhamento clínico multidisciplinar diferenciado, com profissionais de saúde treinados para o tratamento de crianças queimadas, porque estas requerem tratamentos especializados. É por isso que existem hospitais pediátricos.”


Não é o único problema. Além do sofrimento físico, a criança vê-se num ambiente hospitalar hostil e agressivo. “Num serviço de cirurgia geral não há um peluche nem um ambiente infantil, o que deixa marcas psicológicas profundas para toda a vida”, sublinha o cirurgião.

Celso Cruzeiro desconhece as razões por que Portugal não tem uma UCI para crianças - situação que em 2006 forçou a transferência de uma criança portuguesa para Espanha - sobretudo porque são dos grupos etários de maior risco de sofrer queimaduras graves, especialmente as que têm entre zero e quatro anos.

Celso Cruzeiro sublinha: “Até há três anos só havia uma Unidade de Queimados pediátrica em todo o País, que funcionava no Hospital D. Estefânia. Fechou há três anos para obras de remodelação. Até hoje não se sabe porque é que ainda não está remodelada e em funcionamento.”

Na
opinião do cirurgião, Portugal devia ter, pelo menos, três UCI pediátricas: uma no Porto, outra em Coimbra e outra em Lisboa.

O Hospital D.
Estefânia esclarece que fechou a Unidade de Queimados, em Junho de 2005, por falta de condições de segurança. Embora sem unidade, os queimados são tratados pela mesma equipa multidisciplinar. Em caso de falência de órgãos, as crianças são internadas na Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos, recorrendo a isolamento se for necessário. Em 2004 foram tratadas 145 crianças queimadas, no ano seguinte 101, em 2006 passou--se para 146 menores eeste ano, até Setembro, tiveram tratamento 96.  »


 



 


o que não se leu no Correio da Manhã :

 

 

« Celso Cruzeiro desconhece as razões por que Portugal não tem uma UCI para crianças - situação que em 2006 forçou a transferência de uma criança portuguesa para Espanha - sobretudo porque são dos grupos etários de maior risco de sofrer queimaduras graves, especialmente as que têm entre zero e quatro anos.»

 

o Hospital de Dona Estefânia há várias décadas que tem uma UCIP (Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos) a funcionar em pleno

(e tinha uma unidade para queimados).

como é que o cirurgião entrevistado desconhece a existência dessa UCIP é um enorme "mistério" !

quanto à "situação que em 2006 forçou a transferência de uma criança portuguesa para Espanha" já se falará mais à frente.



« Celso Cruzeiro sublinha: “Até há três anos só havia uma Unidade de Queimados pediátrica em todo o País, que funcionava no Hospital D. Estefânia. Fechou há três anos para obras de remodelação. Até hoje não se sabe porque é que ainda não está remodelada e em funcionamento.” »

 

exacto… fechou para “remodelações” !!!...

o seu pessoal, entretanto, foi “integrado” noutros serviços – enquanto se iriam fazer as tais “remodelações”.

depois… começaram-se a formar, arbitrariamente, profissionais de outros serviços em “queimados”, o que começou a levantar suspeitas e desagrado entre o pessoal.

a isto começou-se a chamar “equipa multidisciplinar”…

(e é-o sim !... compulsivamente ! )

só mais tarde se revelou a verdade... a Unidade para Queimados encerrou e os queimados passavam a ser tratados por essa "equipa multidisciplinar" na UCIP.


ou seja, como é "hábito" em Portugal, as verdadeiras intenções foram escondidas desde o princípio, inventaram-se "desculpas" e "razões" e foi-se caminhando dissimuladamente para o fim pretendido.

quando as coisas ficam definitvas... já não há remédio, que se há-de fazer ?!?!?  certo ?

o que um estratagema deste calibre faz a um ambiente de trabalho e do esforço que os profissionais fazem para que esse desagrado não passe para os doentes e familiares de nada interessa a quem está na base deste tipo de actuação !


 


« Na opinião do cirurgião, Portugal devia ter, pelo menos, três UCI pediátricas: uma no Porto, outra em Coimbra e outra em Lisboa. »

e o cavalheiro insistia !

EXISTE UMA UCIP NO HOSPITAL DE DONA ESTEFÂNIA !!!


porque razão, uma reportagem televisiva que abordava os “principais serviços do Hospital de Dona Estefâniaomitiu grosseiramente a existência dessa UCIP é também um grande “mistério”.

porque é que os protestos dessa unidade por ter sido IGNORADA nessa reportagem nunca tiveram nenhuma repercussão é outro “mistério”.

talvez porque a estação televisiva que fez a reportagem tivesse sido barrada por profissionais dessa UCIP quando tentava obter notícias sencionalistas passando por cima de toda a ética !?… é apenas uma ideia... apenas uma ideia.


porque é que andaram a sobrecarregar o Hospital de Santa Maria com crianças doentes que deveriam ter sido orientadas para a UCIP do Hospital de Dona Estefânia é outro “mistério” !!!

talvez que os esforços de uma médica tenham evitado que a UCIP do H.D.Estefânia tenha encerrado para… “remodelações”... e frustrado os planos de alguém.


qual é o interesse em fazer crer que não existe uma UCIP no Hospital de Dona Estefânia ?!?



« O Hospital D. Estefânia esclarece que fechou a Unidade de Queimados, em Junho de 2005, por falta de condições de segurança. Embora sem unidade, os queimados são tratados pela mesma equipa multidisciplinar. Em caso de falência de órgãos, as crianças são internadas na Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos, recorrendo a isolamento se for necessário. Em 2004 foram tratadas 145 crianças queimadas, no ano seguinte 101, em 2006 passou--se para 146 menores eeste ano, até Setembro, tiveram tratamento 96. »

 

afinal… não eram “remodelações”… eram “falta de condições de segurança”.

tanto falso nome para “ordens superiores para cortes nos custos” !...

o Hospital de Dona Estefânia tem, inclusive, uma cama automática para tratamento de grandes queimados, que se julga senão a única, das poucas existentes no país – e isto não é dito em parte alguma.

a notícia “estrondosa” da criança queimada que a "Estefânia recusou" e que foi ser tratada em Espanha, que tanta polémica levantou e que levou até o snr. Ministro a ir dar explicações à televisão... foi mais uma manobra para denegrir aquele Hospital… nada mais !


 

(hoje em dia... grávidas terem de ir parir a hospitais espanhóis porque lhes fecharam as maternidades em Portugal já não é "grave" nem "escandaloso" - a mudança dos tempos e das vontades é extremamente rápida neste país !!!...)


o Hospital de Dona Estefânia trata queimados com regularidade e tem uma UCI P !!!

 

tudo isto são manobras para sugerir que o Hospital não tem valências nem capacidades para tratar estes problemas.

com que interesse ???

de quem exactamente ???…

que cada um puxe pela cabecinha e que comece a ler nas entrelinhas.

 

um hospital pediátrico que não tenha estas capacidades… é obsoleto, está caduco e está pronto para ser encerrado, vendido, demolido… não é ?!?

que conveniente !!!

agrada-se a uns (que terreno enorme aquele...), "desenrrascam-se" outros com uma valente maquia em dinheiro (até se diz que para pagar o hospital novo - que intuito meritório) e que se lixe uma herança... pois aquele hospital foi oferecido a um País e a um Povo... não a um governo qualquer !


não há "mistérios" nisto !!!

 


 


sinto-me: ---
música: ---

Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2008

defender o hospital de dona estefânia



uma amiga,

depois de uma longa conversa,

passou-me esta "incumbência"…

que assumirei com todos os meios que conseguir reunir !


 

 

o Hospital de Dona Estefânia, nosso único hospital dedicado exclusivamente à pediatria em Portugal, vem sendo de alguns anos a esta parte ameaçado de “fecho”.

 

aparentemente, as administrações anteriores, assim como os directores dos serviços e praticamente todo o pessoal que ali presta os seus serviços não desejam esse fim para o hospital nem concordam com as razões que têm vindo a ser apontadas para tal “necessidade”.

 

afim de lutarem contra pseudo auditorias “encomendadas” por governos anteriores, que davam o hospital como “sem condições”, conseguiram uma Acreditação de Qualidade, atribuída por uma das autoridades mais rigorosas da Europa.

esta "luta silenciosa", segundo me diz a minha amiga, já vem a acontecer desde o ano 2000 (ou talvez mesmo antes) e têm sido orquestradas manobras difamatórias ao Hospital, de forma a denegrir a sua imagem junto do público.

 

contudo… parece que essa Acreditação não tem qualquer valor para o actual governo, que se apresta a proceder ao fecho do hospital e a “substituí-lo” por um piso no futuro hospital de Todos os Santos.

 

a minha amiga também me elucida de duas coisas “interessantes” :

 

uma delas diz respeito a interesses imobiliários que há muito se movimentam na sombra, com os olhos postos naquela “apetitosa mancha de terreno” bem no centro de Lisboa e fala-se em surdina num multimilionário projecto para condomínio fechado.

 

a outra é que, quando alguém aborda este assunto, surgem imediata e muito convenientemente acusações de “obcecados com teorias da conspiração”…

 

seja como for… surgiu um blogue que tenta deitar alguma luz sobre tudo isto e que pede a colaboração e o apoio de quem a isso esteja disposto… assim como uma petição contra o “fecho” do Hospital de Dona Estefânia, que agora também aqui divulgo.

 

tudo indica que… os profissionais que servem neste Hospital andam manietados na sua liberdade de expressão e que os seus cargos correm perigo de represálias por manifestarem o seu desagrado e discórdia por todo este processo !

 

 

eu não fazia ideia desta situação… pois não tenho filhos e os meus sobrinhos são, felizmente, muito saudáveis nunca tendo necessitado de recorrer a este Hospital, mas… por via de outras pessoas tenho uma excelente imagem dele !

 

creio que isto é um assunto que, no fundo, diz bastante respeito a todos nós, senão agora, eventualmente num futuro (“para longe vá o agoiro”, como se costuma dizer) e desafio quem aqui me lê – caso concorde que esta é uma situação de defesa dos nossos interesses – a fazer o seguinte:

 

1 – fazerem também um artigo com o texto que colocarei mais abaixo, com os links.

2 – darem-lhe o mesmo título que coloco (para criar uma “massa” no google, por ex.)

3 – atribuírem a tag “Hospital Dona Estefânia” e outros que assim entendam.

4 – assinarem a petição, como é óbvio (incluindo o nº do B.I.)

5 – eventualmente, enviando comentário ou mail para o blogue : campanhapelohde








 

DEFENDER O HOSPITAL DE DONA ESTEFÂNIA

 


 

Petição dirigida ao

Exmº Presidente da República Portuguesa,

Aníbal Cavaco Silva

Contra o fecho inexplicável e inaceitável

do hospital pediátrico de Dona Estefânia.

 

http://www.petitiononline.com/hde2007/petition.html

 

atenção :

para maior impacto desta petição como documento…

por favor… indique o seu número de B.I. – obrigado.

 

 


mais informações em:

 

blogue “APOIAR E DEFENDER O HOSPITAL DONA ESTEFÂNIA - PATRIMÓNIO DA MÃE E DA CRIANÇA” criado por pessoas ligadas ao hospital que têm de se manter no anonimato.

http://campanhapelohde.blogspot.com/

 

site do próprio Hospital.

http://www.hdestefania.min-saude.pt/



grato pela vossa atenção
ainda mais grato caso apoiem





sinto-me: ---
música: ---

Sábado, 26 de Janeiro de 2008

beijos estonteantes




hoje foi dia de “tampa”.

é verdade, também levo “tampas”.

não há infalibilidades, julgavam o quê ?!

 

hoje era o 3º round, lol…

e dado que fora ela a telefonar…

a expectativa era grande.

parece-me natural, não ?!

 

jantar… e já uma hora de bar.

estava tudo “certo”.

iríamos para casa dela.

que preferia sentir-se em casa

mas obviamente que…

por mim… lindamente !

 

os beijos foram estonteantes

(sem duvida !!!)

o corpo muito insinuante

a reagir muito bem às minhas mãos

que era só um aperitivo…

interromperam-nos…

rimos, brincámos… voltámos.

 

mais um pouco de bar

para não dar muita bandeira

mas claro… sem stress.

estivemos de conversa no grupo.

nada de extraordinário.

nada de anormal.

 

fui ao carro buscar a câmara fotográfica.

tiraram-se umas fotos no grupo.

fui ao wc.

fui ao bar buscar duas bebidas.

nada notei de estranho…


 



 


 

foi de repente… juro !

- que tens ?

- hum… nada, nada…

não percebi o trejeito.

mas também não valorizei…

parecia que ia ao balcão.

nada perguntei.

volta de repente e diz:

- olha, esquece… o que querias não vai acontecer !

fiquei a olhar para ela… calado…

espantado, admito, claro !

- esquece… esquece…

tornou ela com maus modos.

- está bem !

disse eu apenas.


acho que foi ao wc…

que foi isto ?!?

perguntei a mim próprio

sem qualquer esperança de resposta.

depois…

vejo-a vir dos lados do wc.

já de mala na mão, passar ao longo do balcão, ir embora.

 

é verdade que tive um impulso de ir atrás dela.

mas não !... lamento… não.

 

aproximei-me do grupo.

com alguns cubos de gelo na cabeça, confesso.

ainda fiquei atento ao telemóvel…

talvez um telefonema curto, uma mensagem…

algo que me explicasse.

mas não... nada.

- onde está a XYZ ?

perguntou um amigo

- acho que foi embora… não se despediu ?

- foi ?!... não... não se despediu…

- então não sei !...

- deve ter ido lá fora… se calhar, telefonar…

- é capaz…

pouco depois…

- que aconteceu pá ?!

(pois… ele notou…)

- se queres que te diga… não faço a mínima !...

- mas ela foi embora ?

- parece-me que sim !

- mas… que disse ela ?

- olha… nada que me faça perceber.

 

acabei pois… por vir embora.

já passei em revista…

todas as palavras, todos os gestos,

até os olhares…

não escreva mais uma letra, se percebi o que aconteceu !

 

telefona-me ela, para nos encontrarmos…

“arrasta-me” ela para um canto e…

(enfim… interromperam-nos o "aperitivo")

preferia ela sentir-se em casa, mas

mais um pouco de bar, para não dar bandeira.

e…

o que EU queria não ia acontecer ?!?

 


enfim…

há vezes em que me engano, pronto !...

 

a observação que muitos farão, já eu a fiz várias vezes

“ alguma coisa aconteceu ! que foi ? “

 

não… faço… a mínima… ideia !....

 

sei que não vou atender amanhã no telemóvel,

a simples explicação que devia ter sido hoje.

e ainda há quem não entenda

o “esquecer e passar a outra” ?!?


passe bem… faça o mesmo.



( se vier a perceber... prometo que conto )


sinto-me: sonolento (finalmente)
música: Concerto para violino n.º 5 em lá menor -( N. Paganini )

Terça-feira, 22 de Janeiro de 2008

3 gajos à conversa (chato, muito chato)



TOMA CUIDADO COM O TEU BAÚ
ou "como aturar um gajo secante" mas encharcado




jota, e érre... num bar... que já foi "da moda"... ao balcão

numa mesa próxima :
uma sex-bomb brasileira
(era mais um bombardeiro completo, mas pronto)
e um gajo que parecia o Marques Mendes mas mais gordo



[ ... ]

R - não me digas que não comias aquela brazuca !?

J - digo...

R - vai-te à merda... morde aqui, vá... não comias aquilo, o caraças !!!

J - pronto, como queiras... está bem comia.

R - pois comias !... tás para aí com merdas... tu de vez em quando tens a mania que és mais que os outros !... tens, tens...

( jota encolhendo os ombros...)
( nada dizendo, apenas fazendo que não com a cabeça para érre...)

R - olha agora !!!  tu também ?!

( rindo-se...)

P - não é "eu também"... este gajo não ia lá mesmo !

R - vão-se mas é matar os dois... és mamã dele não ?!  mas vocês deram em panascas ou quê ?!

J - oh pá... mas qual é o teu problema ?  vai lá tu e mete-te com ela... que te interessa a ti quem é que eu fodo ou não ?!

P - até pareces um pimpas a alugar...

( gargalhadas )

R - julgas que não ia ?  não que não ia !!?  não quero é problemas... mas que a fodia bem fodida, fodia !

P - tá bem !... a gente acredita...

( jota e fazendo disparatadamente que sim com a cabeça...)

R - vão à merda... panascas...





minutos depois
já o casalinho saíra... já a conversa parecia esquecida


R - olha lá oh jota... tu não me digas que não comias a miúda por ela ser brazuca !!?

P - ALELUIA irmão... viu a luz !!!

( risadas... jota encolhendo os ombros...)

R - porra pá... não te sabia racista !...

J - racista ?!?... a miúda era branca !... queres dizer xenófobo, não ?!...

R - ou isso...

( jota encolhendo de novo os ombros - desinteressado mesmo )
( com risinho cínico, baixinho...)

R - foda-se !!!  não acredito...

J - olha lá pá... vou-te fazer um desenho... miúda de 20, 25 anos máximo... bonita... boa até à quinta casa... mais despida que vestida, com este briol... em romântico téte-a-téte com cinquentão... solteiro, em princípio... feio que nem um charroco... mais pançudo que nem um barril... e com um mercedes... qual é a parte que não percebes ?

P - só os sapatos do gajo custam mais que a roupa toda que trago.

R - e depois ?!?

J - e depois... nada !   vai à procura dela, para ti... ora o caraças !... tás cá uma chaga !!!

R - até ia pá !  não sou complicadinho como tu...

P - não tens hipótese... só tens um passat dos antigos.

( gargalhadas )

R - vai-te à merda... FODA-SSSSE... vocês hoje estão cá uns merdas !  vai lá, vai... não pode ser o patrão dela, queres ver ?!?

P - ah pois pode, pode...

( "partindo-se" a rir... ao mesmo tempo que fazia que sim com a cabeça )

J - se é o patrão dela... é muito liberal com a roupa lá do escritório...

( engasgou-se com a cerveja )

R - vocês hoje estão impossíveis, pronto !  parecem duas gajas no cuscanço, foda-se !  pois eu comia aquilo sem espinhas.

P - a gente já ouviu... olha que os 1.600 e tal gajos que estão casados com brasileiras dizem o mesmo !...

R - 1.600 ?!?  quem disse isso ?

P - vinha no jornal...

R - ora... no jornal...  (...)  isso são patós que vão na cantiga !

J - acho que... em princípio... só iam foder aquilo "sem espinhas"...

( ia caindo do banco...)

R - porra pá... não são todas assim.

J - não disse que eram !...

P - pois não !... esta era a Cinderela.

( gargalhadas )





R - mas olhem lá... vocês já não gostam de gajas é ?!?

P - eu gosto... (rindo-se)

J - eu cá já ando a ficar farto delas...

R - FODA-SE !!!...

( rindo que nem doido...)

R - eu cá não achei a miúda com cara de puta...

J - ninguém disse que ela era puta, olha que caraças !...

P - pois não.

R - ah não !!?... o que vocês têm estado a dizer é o quê ?!

J - desculpa lá, mas é diferente...

R - então, que estavas a querer dizer com aquela merda do desenho e não sei que mais ?!

P - eh pá ó pitosga... não percebeste que aquilo era "serviço de estrangeiros" dela, caraças ?!?

( jota rindo-se...)
( érre perplexo... tivemos de lhe explicar... lá acabou por perceber )

R - vão-se foder pá !!!... e tu não comes brazucas por causa disso ?!?

J - aquela... não !  outras... não digo nada...


à saída do bar... já o érre havia "galgado"


P - lá vai o érre andar a espalhar que és racista, ahahah... tás fodido !

J - que se lixe !...  eu já sou "tanta coisa"... que é mais uma.




passatempo
digam-nos que "temas" poderiam ser levantados por esta conversa alcoolizada e ganhe um maravilhoso conjunto de colheres de pau assinadas por Fátima Lopes



sinto-me: pfff... não sei.
música: Fado Tropical - (Chico Buarque)

Domingo, 20 de Janeiro de 2008

ditadura




---< O CASAMENTO >---

debaixo da ditadura de Sextrip


 



 

- boa tarde... olhe, eu quero saber o que é preciso para casar.

 

- boa tarde... com certeza... diga-me a sua idade por favor.

 

- 19 anos.

 

- casamento... hetero ou homossexual ?

 

- (meio surpresa) hummm... hetero !...

 

- com certeza... a senhora estuda ?

 

- sim, sim... estou a tirar licenciatura em química lacto-ovóide-caprina, 2º ano...

 

- ah, excelente escolha... com boas saídas futuras - então... temos o seguinte:

 

nº 1 - a senhora tem de acabar primeiro o seu curso :  como compreenderá, ser-lhe-á mais fácil fazê-lo enquanto solteira, pelas mais diversas razões, mas também (e muito importante) está a investir em algo que lhe permitirá a sua auto-suficiência profissional no futuro, seja em que condições forem.

acredite que é um "compasso de espera" que valerá a pena sob qualquer perspectiva.

ora isto... (cantarolando)... 5 anos de curso... portanto aponta para os seus 22 anos... certo ?

 

- ... (ela fazendo que "sim" com a cabeça...)

 

- ora, passamos ao nº 2 - nesse entretanto...

 

- o senhor acha que 3 anos são um... "entretanto" ?!?

 

- oh sim, minha cara senhora !!!... digo-lhe mesmo... 3 anos não são coisa nenhuma !...

continuando...

neste entretanto, dizia-lhe, a senhora deve, além do tempo dedicado ao estudo, conhecer o maior número de pessoas possíveis, viajar o mais que...

 

- eu não quero conhecer o maior número de pessoas possíveis... eu só quero o meu namorado, quero saber se ele é o meu "Mr. Right Guy"...

 

- minha querida senhora... não digo o contrário, nem me atreveria.

mas em boa verdade... só saberá se ele é "candidato a Mr. Right Guy" se conhecer bastante gente para saber exactamente os "right" que lhe interessam a si, no "guy".

ele deverá fazer o mesmo, compreende ?  ele também andará à procura da "Miss Right Girl", não será assim ?

e não me refiro a apenas conhecer outros homens, nem sequer a relações românticas nem sexuais.

simplesmente... conhecer o maior número de pessoas possíveis, de ambos os sexos, com vidas diferentes... seja conhecendo os problemas dessas pessoas, seja divertindo-se com elas... passando bons momentos, etc...

 

- mas eu gosto é de estar com ele !!?... eu amo-o !...

 

- mas perfeitamente !!!... não invalida... vão conhecendo as pessoas juntos... mas, com os eventuais momentos a sós que vos apeteçam, por exemplo... olhe que é algo excelente de ensaiar desde cedo.

mas dizia... viajar, ter experiências diferentes, etc.

 

- “experiências diferentes” ?!?!?  que quer você dizer com isso ?!?  (desconfiada)

 

- lol lol lol… minha querida senhora… descontraia… quero dizer simplesmente isso, sob qualquer aspecto que a senhora queira imaginar.

alguma vez fez Rapel  ou Slide ??? não !? pois experimente… tem tempo livre, excelente forma física… vá em frente… sozinha ou com o seu namorado... sinta a adrenalina a correr nas veias...

sempre quis fazer aquele cursinho de Ikebana ??? pois faça-o… sempre pensou em passar uma noite num deserto africano ??? pois vá !... contemple alternativas, faça daquelas coisas que são “uma vez na vida”, está a ver ?...

ou mesmo… conforme me pareceu que foi o que julgou que eu estava a sugerir, se gostasse de experimentar algo lésbico ??? pois experimente-o !... porque não ?!?...

 

- … (um pouco constrangida)

 

- são apenas exemplos, apenas exemplos… não fique assim, lol lol…

continuemos…  nº 3... terá de nos preencher o formulário nº 8B para podermos aferir da preparação que recebeu dos seus pais com vista a um futuro casamento.

 

- os meus pais ?!?... mas que têm eles a haver com isto ?!?

 

- ah minha querida senhora... muito mesmo !  têm muito "a haver" acredite !

estão comprovadas as mais diversas relações entre os casamentos dos pais com os casamentos dos filhos... e nós precisamos de perceber em que "pé" estão os conhecimentos que lhe foram transmitidos, entende ?

 

- então... e se os meus pais não me passaram os "conhecimentos" que os senhores achem os melhores ???  vão presos, não ?!?

 

- lol lol lol... de maneira nenhuma !... não interferimos nisso, não dessa forma... mas poderemos dar algumas dicas aos seus pais, para que a ajudem nesta sua decisão… se eles assim o pretenderem.

com certeza que eles quererão que você vá bem preparada para um casamento, pois será o seu ideal de felicidade que estará em jogo, correcto ?

sabe... é que por vezes há pais que muito pressionam os filhos para que casem... tanto às raparigas quantos aos rapazes... quando no entanto, pouco ou nada lhes transmitiram.

nós simplesmente, precavemos isso !

aquilo que os seus pais não conseguiram transmitir-lhe, tentaremos nós fazê-lo.

é um género de cursilho... nada de muito complicado... tem até mais a haver com gestão económica, gestão de recursos, cuidados a ter com ingerências externas, etc... nada de muito complicado, não se preocupe.

há até quem, mesmo bem preparados pelos pais, requerem o cursilho na mesma.

sempre são mais uns pontos de vista, compreende ?

 

- estou é a ver que isto de casar afinal é mais complicado do que eu esperava.

 

- lol lol lol… não tanto quanto a vida… nem tanto quanto o amor, minha querida senhora…

ora vamos ao nº 4

nº 4… o estágio.

 

- o quem ?!?!? o quê ?!

 

- o estágio minha querida senhora.

para poder casar, terá de viver com o seu namorado (ou namorados, como entender) durante, no mínimo, um ano… doze meses, 365 dias, lol…

no mínimo, conforme disse.

 

- ora essa !!?...

 

- sim, sim… tenho de lhe dizer que é condição prioritária… e bastante no vosso interesse, acredite.

ficou comprovado que, antigamente, a grande maioria dos conflitos e incompatibilidades surgiam ao fim de apenas 6 meses de casamento… que as pessoas fingiam não se aperceberem deles ou de se importarem com eles porque… já estavam casados, “já não havia nada a fazer”, talvez fosse assim que “deveria” ser, patati-patatá… está a ver ?

por vezes… as coisas mais irrisórias, mas que… originavam autênticas “bolas de neve” silenciosas e corrosivas.

nós simplesmente concluímos inequivocamente que, essas situações se desenvolviam porque as pessoas se sentiam obrigadas a um “contrato”, que se sujeitavam a elas por complexo social… perante pais, amigos, a sociedade em geral incluindo o estado.

a condição de viver “maritalmente”, num grau à vossa escolha (são perfeitamente livres nisso) não veio erradicar tal, mas… garanto-lhe, minorou imenso esse tipo de situações.

 

- não sei se concordo com isso !... (contrafeita)

 

- lol lol lol… minha querida senhora… conforme lhe disse… viver “maritalmente”, num grau à vossa escolha.

significa isso que… poderá declará-lo ao estado e cumpri-lo no mínimo grau a seu gosto ou imaginável – nós temos noção disso.

contudo, também conforme lhe disse, estamos convictos que esta condição é do vosso completo interesse.

bom… adiante…

ora, com todas estas andanças a senhora já deverá então estar pelos 25 anos, eventualmente com emprego, já terá a sua ideia (sua… vossa portanto) de como quererá experimentar o casamento.

estará na altura de marcar as “entrevistas”.

 

- mau !!!!... entrevistas ?!?... para quê ?!

 

- bom… é o nº5… e último, devo dizer.

o casamento, para nós, para o estado portanto, serve para além de oficializar o vosso envolvimento e relação… que bastante nos apraz, pois desejamos cidadãos felizes naquilo que decidirem fazer obviamente… serve também para estabelecer uma carta de direitos e deveres de e para com o estado.

certo ?... sempre assim o foi portanto… não tão declaradamente mas, foi !

logo… desejamos entrevistar-vos… perceber das vossas expectativas… noção do estado do país, perspectivas de futuro, noções de fidelidade mútua ou não, desejos de prole tanto de maternidade quanto de paternidade, etc… coisas muito gerais.

 

- pois a mim parece-me assim a modos que cusquice… a meterem-se na vida das pessoas.

 

- lol lol lol… de maneira nenhuma… são até entrevistas bastante informais e… que não serão obrigados a fazerem… podem optar por um inquérito por escrito que se resumirá às declarações necessárias por lei.

mas acredite… os nossos assistentes sociais são de uma experiência incrível, muito amigáveis e pacíficos, que vos podem dar sugestões insuspeitas e de extrema utilidade.

na verdade… estas entrevistas foram criadas precisamente porque no passado se concluiu que o estado se demitia por completo das pessoas num momento de grande tensão social como é um casamento ou era extremamente “frio” e distante no momento dessa decisão… mas cobrando na mesma, depois, os deveres aos cidadãos.

ora… se na verdade os cidadãos não estavam capacitados para essa tarefa… acabava toda a gente a perder, aumentavam as injustiças, os incumprimentos de parte a parte, enfim… a barafunda que se via.

e tanto assim é que… raramente os noivos se escusam a essas entrevistas.

 

- hummm… estou para ver !...

 

- sim… “estará para ver” até aos seus 25 anos… o que não é muito tempo, mas… também lhe permitirá formar uma ideia até… a nosso respeito.

 

- então e depois ?!?

 

- depois… depois o quê exactamente ?

 

- depois !… o que os senhores “depois” pretendem ?

 

- depois pretendemos que façam a vossa vida !... já não nos dirá respeito a forma como a projectam ou conduzem, não acha ?  nós só pretendemos que as pessoas façam este, para nós, contrato de vida com o máximo de consciência… nada mais !

 

- hummm… vou ter de pensar.

 

- com certeza… esteja à sua vontade.

 

- e se… (pensativa)… e se eu resolvesse casar depois dos 25 anos… como era ? já seria uma pessoa "capaz" para casar ?! sem precisar de passar por estas coisas ?!...

 

- bom… critique-se este estado, ou não, por aquilo que ele entende… sim, já pode !

compreendo até o seu desagrado por esta medida.

nós sabemos que há pessoas que aos 20 anos têm tanta maturidade quanto outras de 30 mas… pretendemos garantir uma melhor qualidade de vida a quem não tem esse perfil e que necessita de alguns anos para tomar peso à vida, independente de certa influência familiar por exemplo, ou de pressões ditas sócio-culturais, etc… garantir por exemplo que as pessoas tenham o seu desejo de tirarem um curso também garantido e livre de pressões de qualquer género, etc.

olhe que há pessoas com 30 anos e mais que seguem este programa por sua própria iniciativa até…

 

- hummmm… acho isto tudo “muito bonito” !!!...

 

- lol lol… compreendo-a perfeitamente.

 

- … (?)… bem, okay, como disse, vou pensar… boa tarde e obrigado.

 

- disponha sempre… boa tarde.


 


o que há de mais utópico nisto...

... é que eu detesto ditaduras !


 


 



Quinta-feira, 10 de Janeiro de 2008

nem sei que chamar a isto




ontem...
parque de estacionamento subterrâneo do continente do seixal...


um amigo meu sai do carro a fumar, acompanhado pela irmã...
ouvem grande alarido com uma buzina, mas, não ligam...
momentos depois, já quase a chegar à entrada para o hiper...

 já ele ia para apagar o cigarro...

 vem um segurança apressado numa scooter.

célere, interpela-o, dizendo:


- o senhor está numa área em que é proibido fumar... é favor apagar o cigarro ou terei de o multar.

fazendo a "cara de mau nº3".



há algo de muito parecido entre mim e os meus amigos :

é que, quando nos dizem coisas deste género, por alguma razão, apetece-nos "desobedecer".


o meu amigo não fazia realmente ideia que nos parques subterrâneos também é proibido fumar...

o que, como é óbvio, pode realmente comprometer a pureza do ar.

não lhe ocorreu que a tal "buzinadela infernal" que ouvira (algo que se pode designar como "poluição sonora" num ambiente como aquele)... era de um cidadão exemplar e preocupado com a saúde pública que o viu atravessar uma das ruas a fumar e que... munido da sua mais recente "razão adquirida" procurou de imediato um segurança para se queixar.

o meu amigo diz (e eu acredito) que, no momento em que é interpelado pelo segurança estava até "de bracinho estendido" (sic) para o cinzeiro, que ainda ali se encontrava colocado... o que, para ele, tinha toda a lógica... para se apagarem os cigarros antes de subir ao hiper no piso superior.

o meu amigo entendeu e agradeceu o aviso por parte do senhor segurança em como estava, afinal, numa área "livre de fumo"...
de fumo... do tabaco, entenda-se.

o meu amigo, pelo facto de que "estava até de bracinho estendido para o cinzeiro", não entendeu a necessidade de se dizer "é favor apagar o cigarro" - pois não há lógica em pedir a alguém que faça aquilo que ela, inequivocamente, VAI ou está a fazer !
e explicou isso ao senhor segurança enquanto aproveitava uma última "passa"...

o meu amigo sentiu-se no direito de se rir na "cara de mau nº3" do referido senhor segurança quanto à última parte do aviso : "ou terei de o multar".
pois já não basta muitos seguranças julgarem-se polícias... agora julgam-se também ou em alternativa, fiscais da ASAE com "poderes" para multar.

o meu amigo, que por acaso é pessoa muito calma e civilizada, tratou de explicar ao senhor segurança que... lhe agradecia o aviso (pois realmente não sabia e não quer ser infractor) mas que, realmente e naquele caso, o zelo do senhor segurança deveria ficar-se simplesmente por isso... pois o resto, era uma parte desnecessária e a outra parte aparentava ser usurpação de poderes.

o meu amigo acha que o senhor segurança não percebeu esta última parte...



chamem-me de chato para cima...

chamem-me o que quiserem...

"gabo a paciência" de quem buzine e vá "à procura" de um segurança por uma coisa assim.
que noutra ocasião e muito provavelmente nem pára o carro para deixar passar alguém com o carro de compras porque "tem de se despachar"...

"gabo o zelo" destes seguranças bem mandados, com tanta pressa em "fazer cumprir leis". que correm (sim, correm) para as pessoas ANTES que elas apaguem o cigarro para poderem dar a sua "ordem de comando".
que... foda-se... se calham a atrasarem-se alguns segundos já não o poderiam fazer, arriscando-se a ficarem sem esse alto momento de "realização profissional"...

"acho piada" a essas "caras de mau nº3", como se estivessem a lidar com um perigoso criminoso a quem têm de impor "respeito"... o que é em si uma falácia... pois que se assim fosse realmente, muito provavelmente não intervinham.

e ainda se pergunta onde estão os exemplos de "radicalismo" e de "fundamentalismo" ?!?

e ainda se pergunta "porque é que um não fumador defende tanto os fumadores" ?!?

que os desavisados abram os olhos.
que os hipócritas vão "pró caralho".
que criticarei sempre os defensores da mediocridade.
pois que, se este país está na merda em que está... é por culpa deles !


olhem à vossa volta...
pessoas em desespero... porque as despedem arbitrariamente... porque patrões fecham fábricas e desaparecem incólumes e sem prestarem contas das suas obrigações... porque têm casas construídas com sacrifício de uma vida em vias de serem demolidas para "deixarem passar" um TGV em que não terão dinheiro para viajar... porque estão doentes, precisam de um serviço de urgência e não a têm... porque por terem medo, fundamentado, de ficarem sujeitas a doenças graves e disso protestarem, sofrem chantagens de cortes de energia e aumentos de factura... enquanto...
na primeira página de alguns jornais, a "notícia" mais realçada foi sobre um gajo que foi multado por fumar num café de Elvas.


estou ainda mais "porco" do que ontem, que querem ?!?


a polícia "calcula" quem tenham sido os quatro indivíduos que sovaram e ameaçaram com faca o meu irmão, a quem roubaram relógio, carteira, telemóvel e a quem tentaram roubar o automóvel... a polícia "calcula"... a polícia "crê mesmo"... a polícia até "sabe quem eles são"...  "que são aqueles indivíduos porque já houveram mais assaltos assim, naquela mesma zona, feitos daquela forma, mas... é "muito complicado... são menores sabe ?... é difícil apanhá-los sabe ?... escondem-se 'naqueles bairros'... está tudo muito bem organizado... ficam protegidos está a ver ?... há cães... há bufos... há armas... há represálias... há... há..."


há (à) merda !!!!


há tanto zelo em CASTIGAR, em MULTAR sem desagravo o "cidadão infractor" que anda com um farol de médios fundido... ao mesmo tempo que há tanta permissividade medíocre e cobarde para com criminosos... é o que há, por exemplo !


a base é a mesma !!!

fazer tudo pelo mais fácil !  castigar quem é fácil de castigar, prender quem é fácil de prender, descriminar é fácil, proibir é fácil, prevenir não é fácil, educar não é fácil, ao poder só interessa a chefia fácil, o cidadão fácil, porque o medíocre nada mais sabe fazer senão o que é fácil, porque ser medíocre é fácil !



abram os olhos, por favor...

até depois de amanhã...



Quarta-feira, 9 de Janeiro de 2008

impossibilidades




hoje estou, como costumo dizer... "porco".
(porco com a vida... não armem confusão)

ontem tive uma reunião falhada e...
agrediram e assaltaram um dos meus irmãos já ao final do dia.
felizmente "está tudo bem" mas... assustou.
de forma que... adiante.

vou iniciar este artigo mas... só em linhas gerais.
depois irei completá-lo ainda que vos deixe desde já "margem" para comentários.
(se quiserem)



desde o princípio deste blogue que recebo mails comentando-me a mim ou aos artigos que coloco.
a maioria deles, como já referi, é lixo.
alguns... são meros comentários, concordantes ou discordantes, que me levantam sempre a dúvida do porquê de não os colocarem no próprio blogue.
também existem os que me colocam questões, sugerem temas, etc... que têm sido menos frequentes recentemente.
(creio saber a razão para isso, a culpa é minha... tenho "N" deles ainda por responder)

outros (poucos mas bons) são conversas mais pessoais ou particulares que me dedicam e das quais, obviamente, gosto e às quais dou muito valor.


e depois... há uma "categoria" à parte.
a que chamo ... os mails do pessoal que "me conhece".

normalmente são mails em que alguém afirma (não pergunta ou sugere - afirma peremptoriamente) que sou "A", "B" ou "C".
enfim... não sei se mais alguém é alvo deste género de afirmações ou se sou um fenómeno  exclusivo, mas pouco importa ao caso...

logo a início, tinha este blogue dois meses se tanto, recebo um mail de uma tal Raquel_77 a afirmar (entre outras coisas) que me chamo Mário Cotrim, que engravidei uma amiga dela chamada... Raquel (?) (Raquel amiga da Raquel?), que sou um cobarde, um merdas, blá blá blá...

enfim... clicado e zás... lixo.
(como diria o Crest... não há paciência para "fritas da tola")


agora, há dias, recebo novo mail de uma tal Ines_quecivel (nick que sugere ser uma qualquer Inês) que diz já me ter enviado um mail antes (deve ser o tal, mas era Raquel_77) e que se assina "Maria João".
(Maria João Inês Raquel... ou Maria João Raquel Inês)

neste mail, a "senhora", pretendendo "desconstruir-me" (palavras dela) indica o "meu" nome completo (que agora é José Gonzalo Cotrim - sim, com Z - e já não Mário), indica a "minha" morada (algures em Odivelas), indica a empresa onde "trabalho", o endereço, telefones e e-mail dessa empresa, até a matrícula do "meu" carro... diz que sou uma "falcatrua" e que até conhece a loja em que... "a minha namorada trabalha"... que andei com uma amiga dela (que agora e afinal se chama Júlia), que a engravidei, que lhe destruí a vida, etc e que... vai mandar mail para a tal empresa "onde trabalho", senão mesmo deixar uma carta na loja "onde a minha mulher trabalha".
(namorada !?? mulher!!? em que ficamos ?...)
tudo isto obviamente a meio de insultos vários e alusões a coisas que escrevi... o que me sugere que, quem quer que seja, lê e acompanha o blogue desde o início.

esta nunca me havia acontecido... normalmente ficamos pelas do género "ahh, tu não me enganas, és o Morais Vasconcelos e vi-te bêbado no outro dia" e pronto...

responder de volta está absolutamente fora de questão !...
ainda que isto fosse "sério", não haveriam hipóteses de  "comunicação" numa situação destas !
se se diz "não", já se esperava que o diríamos... se se diz "sim" é porque estamos a querer isto ou aquilo... enfim, de nada adianta o que quer que seja.
eliminei tais conversetas da minha vida...
para isto sim, estou "velho" e sem paciência.

haverá uma "solução" para a coisa e talvez a leve avante (se tiver paciência...), pois este género de pessoas funciona normalmente com palas nos olhos como os burros e não entendem/medem sequer aquilo que dizem, deixando pistas de que nem suspeitam...
quem a pessoa "não é", eu sei !...
quem a pessoa seja, não estou minimamente interessado em saber !

claro que, qualquer outro mail vindo das mesmas proveniências ou começando por versar o mesmo assunto vai para a "latinha da caquinha" sem direito sequer a leitura na diagonal.
entretanto... o José Mário Gonzalo Cotrim vai ter de se aguentar à bronca (paciência).

contudo...


o motivo do restante artigo (o tal a colocar) não será sobre esta lana-caprina... ainda que por ela motivado (em parte) e  talvez bastante mais curto.

até lá...
beijos e abraços


_____________________________________________







quando soube que era estéril fiquei mortificado durante bastantes dias e estigmatizado durante muito tempo.

era relativamente jovem, pouco informado do problema e as velhas e mesquinhas crendices populares, como aquela de ser apenas "meio homem", etc,  atingiam-me com violência.

durante muitos anos o assunto foi tabu para mim
e pouca gente sabia do facto.

ainda que não seja coisa que se coloque num curriculum ou que se ande a publicitar, como me parece que seja óbvio.

tinha vergonha que um amigo viesse a saber... deixar que uma mulher o descobrisse era impensável !

enfim...
o tempo foi passando e... numa altura sem sida, em que se fazia sexo muita vez sem preservativo... a minha "deficiência" foi-se tornando numa "vantagem".
ou mesmo quando o preservativo rompia, ou a mocinha se esquecia da pílula... assumia foros de garantia de tranquilidade - para mim à partida, para elas à posteriori, mas... era assim que a coisa ia funcionando e que (peço desculpas pelo "egoísmo") me foi desagravando !

mas a "nóia" não era só minha...
recordo ainda algumas surpresas do tipo, "então, mas tu tens erecção ?!" ou "mas tu vens-te na mesma ?!"... fruto de má informação e de mitos idiotas que ainda hoje pervalecem.

o problema de uma esterilidade como a minha (sim, há vários tipos, ou causas), para além das consequências óbvias, atinge dois tipos de homens, digamos assim...

. aqueles que "alinham" nos tais mitos
e/ou em moralidades da idade média.

aos quais lamento mas apenas posso desejar que "cresçam".

. aqueles que, à semelhança das mulheres
(ou da maioria delas pelo menos)
têm no gerar de uma criança um dos anseios mais importantes na vida.

senão o mais importante...

neste aspecto, homens e mulheres estão em completo pé de igualdade !
para a maioria das pessoas somos "coitadinhos" ou somos "culpados".
por vezes até... ambas as coisas !

e da mesma forma que há homens que culpam a mulher por ser infértil... há mulheres que culpam o homem pela sua esterilidade.
há até atitudes muito estrapafúrdias para com os "estéreis",
mas não adianta agora...

como disse... as discriminações são perfeitamente democráticas e unissexo.

e há quem use tal, evidentemente, como "arma de arremesso".
mesmo como forma perversa e doentia de "diversão", o que, no meio de tanto mau instinto também não se nota muito...

só há uma forma de ultrapassar esta questão e tem, mais uma vez, a haver intrinsecamente com crescimento de carácter.

o sentir (não apenas "pensar") que a única forma de, eventualmente, entristecermos por causa da nossa condição tem de vir... do nosso âmago (da alma ou das tripas, é indiferente) por razões muito nossas, que só nós temos o direito de as colocar !
e nunca, mas nunca mesmo, por algo que alguém nos diga, seja com que intuito for !

é a única forma...
... de cortarmos cerce as chamadas filhas-da-putice de uns.
... de não "levarmos a mal" um qualquer bitate inconsequente de alguém.
... de acalmarmos constrangimentos de um amigo distraído, por exemplo.
... de falarmos abertamente sobre isso com alguém que nos interesse.
... de encararmos, em suma, a questão com a naturalidade que lhe cabe.


portanto... e por exemplo...

imagine-se que alguém... já sabendo da futilidade de outras abordagens... inventa um personagem que engravida "amigas"... que não importando o rocambolesco dos pormenores, porque são mera "diversão"... vos tenta atingir sob outro prisma.

não... dizendo-vos que são uns estéreizinhos coitadinhos.
mas... tentando que se ressintam por serem acusados de algo que não vos é possível fazer.

seria uma outra forma, supostamente maquiavélica, de vos fazerem sentir coitadinhos... só que, por vos acusarem de uma coisa que coitadinhos de vocês são inocentes...
it's a injustice... yes it is...



poderia resultar...
se a darpp-32 funcionasse de igual forma para toda a gente.


esterilidade... será então e comparativamente... um "mal menor" !



"desconstruir-te"... essa é gira !...




sinto-me: carente por um café
música: o silêncio é preciso, por vezes

Sexta-feira, 4 de Janeiro de 2008

reticências - MissBradshaw / Portimão / Zés









ponto 1

que aconteceu à  MissBradshaw  e ao seu blogue ?

desapareceu por completo... alguém sabe o que se passou ?



ponto 2

fosga-se !!!  já não vou até "lá abaixo"...

estou deveras piúrso com o cancelamento do Lisboa-Dakar.




ponto 3

NÃO CARAÇAS !!!

não me chamo  José "das-não-sei-quantas" Cotrim
nem nunca fiz de "anónimo" em nenhum blogue, arre !!!

( Cotrim ?!?... que nome mais "nhóc" )




até amanhã... beijos, abraços





sinto-me: cansado...
música: Englishman In New York - (Sting)

Quinta-feira, 3 de Janeiro de 2008

vaipe 758-08/A twilight zone




o meu primeiro "momento twilight zone" de 2008



vou para beber o meu cafézinho
(rever aquela mulheraça, que não vejo desde o ano passado)
olho para o outro lado da rua e...

!!! a esplanada cheia !!!



são meia dúzia de mesas e cadeiras
que estavam cheias e ainda havia gente de pé
estava frio e vento, mas claro... lá me lembrei da nova lei
passo, dou "boas tardes", entro e...

!!! o café completamente vazio !!!
eu era o único cliente





a piorar o "momento twilight zone"...
ela não estava
.fónix.
!!!!!!!!!!



beber o café em silêncio

a ouvir o motor dos balcões

o tic-tac do relógio

rodeado de cartazes enormes (vários) a proibir fumar

com o ranhoso por detrás do balcão feito estátua de gárgula

e a ouvir as conversas animadas lá fora

foi uma cena bem estranha... acreditem !




preciso de outro café... aquele não me soube a nada



sinto-me: desconsolado...
música: All Night Long - (Diana Krall )

Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2008

script too long (not sex)




once upon a time…

 


… havia um gajo que acreditava que a vida, chegada ao nível de ter uma mulher bonita (e jeitosa), uma boa casa (e bem recheada) dois bons carros e um emprego onde ganhasse bem… além de uma conta bancária confortável,  teria atingindo o seu cume e que, daí para a frente, era tudo uma questão de manter esse status.

a vida estaria “feita” e… mais electrodoméstico, mais "aparelhómetro hi-tec", mais PPR, mais uma ou outra festa… o futuro estava garantido.

 

tudo decorria maravilhosamente até que um dia… o gajo sentiu que lhe faltava “alguma coisa”… chateava-o que, apesar da muita experiência profissional acumulada e de desempenhar a sua profissão como poucos, era sempre um “gajo de 2ª” por não ter a tal coisa do “canudo”, etc… o que, claro, se repercutia também no que ganhava.

 

então… um dia decidiu-se, procurou uma solução para o seu caso e… voltou a estudar.

não foi fácil, já não era “miúdo” nenhum, descobriu que todas as formações “oficiais” que tivera  de nada valiam (puras “tretas” para alguém sacar fundos à U.E.), teve de repetir velhos anos de escola para conseguir nota, fez autênticos malabarismos para iniciar um curso… tudo feito enquanto trabalhava e tentava manter a vida que tinha.

 

evidentemente que, conforme mais avançava, mais as coisas se adensavam e mais exaustivas se tornavam.

estava menos tempo em casa, percebeu o quão oneroso é estudar em Portugal e as despesas aumentaram, o esforço para trabalhar parecia-lhe agora muito maior.

 

onde tirava o curso sentia-se “aluno de 2ª”, ouvindo muita vez comentários que mais o incitavam a desistir do que a resistir… na empresa onde trabalhava começou a ser criticado por “baixar de rendimento”, o que era falso e só havia surgido depois de descobrirem que tentava tirar aquele curso… desistira de algumas actividades de que muito gostava para libertar tempo para o estudo ou para a esposa… conteve radicalmente as suas despesas pessoais, as “miudezas” que lhe davam gosto…

 

mas, o pior, foi o aumento gradual da pressão da esposa para que abandonasse os seus intuitos !  foi o mais difícil de “engolir”…

pois era por ela, também, que ele se lançara naquele desafio.

e agora, era acusado de só pensar em dinheiro e de o colocar em primeiro plano, ao mesmo tempo que era também acusado de fazer baixar o nível de vida do casal, de faltar em casa, de estar a afastar amigos, de estar a desfazer a vida social do casal, etc…

só mais tarde veria o contraditório que essas queixas encerravam.

 

era verdade que, agora, tinham de contar o dinheiro com mais rigor, que não saíam com a frequência anterior, que entre trabalho e estudo ele pouco estava em casa e que, em virtude disso, os amigos já só raramente eram recebidos lá em casa, assim como pouco iam a casa de alguém.

mas… ele continuava a amá-la, fazia os possíveis por agradá-la e dar-lhe atenção, o sexo não lhes faltava e… no geral, achava que a sua vida continuava com a mesma qualidade de antes… apenas mais comedida.

considerava que ela era das melhores mulheres ao de cima da terra, que apenas estava um pouco receosa daquela mudança tão desgastante na vida de ambos, alarmada com os obstáculos que entretanto (e surpreendentemente) se haviam levantado à iniciativa dele… que tudo se haveria de resolver, como sempre haviam resolvido.

para mais… não podia desistir… não agora… estava a meio, se haviam resistido ao início e até ali, haveriam de resistir a tudo.

 

naquela altura… tinha economias que lhes permitiriam resistir uns 6 meses, mesmo que as coisas corressem da pior forma possível.

desde que continuassem no seu nível de vida… não seria economicamente que receariam os tempos mais próximos.

 

foi com surpresa que ouviu a esposa queixar-se de que “tinha ela” de arranjar um emprego, que a vida de ambos se estava a “degradar” e imensas outras coisas pouco agradáveis.

falaram demoradamente sobre isso, fizeram “apanhados” do que até ali sucedera e etc, mas, ela insistiu em voltar a trabalhar.

ele nunca se opusera (ou se oporia) a que ela tivesse um emprego e… se assim ela achava que a vida de ambos melhoraria, por ele, tudo bem.

arranjou-lhe até um emprego numa empresa cliente da empresa em que trabalhava.

 

as coisas pareceram estáveis durante uns tempos até que as suas “faltas em casa” aliadas a uma traição dele, feita anos atrás, foram mote para recriminações e desconfianças cada vez mais constantes, cada vez tão mais disparatadas quanto ofensivas.

a custo, conseguiu lidar com tudo isso durante longos meses, mas… esse ano estava destinado a ser-lhe negro.

 

a morte de um familiar a quem amava quase como "um pai" destroçou-o e durante largos meses tudo em seu redor sofreu bastante com esse facto – não tinha paciência para as cenas da esposa, nem dos seus “chefes” idiotas e já nem no estudo encontrava alegria.

poucas pessoas o entenderam nessa altura e… a esposa não foi uma delas.

 

em seguida, um episódio desagradável ocorrido na empresa foi-se insinuando e corroendo o seu estatuto lá…

com uma mera promessa de um amigo para uma outra empresa, apresentou a demissão, tendo ficado dois meses sem emprego.

mais uma vez… poucas pessoas teve a seu lado e mais uma vez teve a oposição e a incompreensão da esposa.

o ano do curso estava, literalmente, perdido !

 



pormenor de capa "music for the jilted generation", Prodigy

 


uma noite, de regresso a casa despistou-se, desfez o carro, esteve três dias em coma…

ainda em convalescença teve de lutar com invenções de “tentativas de suicídio” que convinham a companhias de seguros e foi contra indicações do médico que se apresentou ao serviço na empresa do amigo…

poucos dias depois um outro amigo, de longa data, suicidava-se por não suportar mais a doença terminal de que padecia há uns anos… ironicamente, ao mesmo tempo que descobria que a mulher o vinha atraiçoando em várias ocasiões com diversos homens.

 

pediu à mulher que saísse de casa (sim, “pediu”)...

não a podia nem ver !…

em poucos meses tornou-se um “bicho”, que trabalhava do levantar ao deitar, que se tornou psicologicamente dependente da medicação, que hostilizou “meio mundo” em seu redor, incluindo um dos seus amados irmãos…

os problemas caíam-lhe em cima com tal frequência, com tal diversidade e com tamanha voracidade, uns por verdadeira “abutricidade”, outros por seu desleixo ou má reacção que, se não fosse um Amigo com um coração enorme e muita sapiência em leis… teria sido disputado aos pedaços.

 

a esposa pediu-lhe para regressar a casa, pediu-lhe perdão, prometeu-lhe ajuda…

na verdade… apesar de tudo, continuava a amá-la, sentia a sua falta e ainda a achava a melhor mulher que conhecera na vida.

mais uma vez… pouca gente o compreendeu, pouca gente o apoiou, muita gente o difamou e muitos “amigos” desapareceram nessa altura… “não era de homem, era corno e gostava” e muitas outras pedradas nos seus telhados de vidro…

 

contra tudo e contra todos, recebeu a mulher de volta…

ela pedir para voltar no pior momento da vida dele, amoleceu-lhe o coração, fê-lo querer “descansar” pondo coisas para detrás das costas, nem sequer questionando nada em demasia, não a recriminando, nem sequer tentando perceber se a perdoava ou não… apenas, não queria falar nisso, queria pretender que nada sucedera.

 

por iniciativa sua, vendeu alguns bens da casa para enfrentar dívidas que se haviam acumulado (algumas surgidas como que por magia), interrompeu o curso por mais um ano, tentou relativizar o seu casamento, investiu forte no seu novo emprego, fez as pazes com o irmão, tentou reequilibrar-se…


o tempo aparentava ter voltado ao velho compasso, ainda que os tempos seguintes tenham sido nebulosos, confusos, indo de extremo a extremo, da dormência da monotonia à demência do bizarro, em todos os aspectos da vida.

quando voltou a estudar… foi de forma muito diferente da primeira vez… quase sem condições algumas, de mente confusa, saltando de sacrifício em sacrifício e… não fosse o apoio do seu novo patrão (não propriamente da firma, mas sim daquela pessoa especificamente) tudo teria ruído novamente !

o tempo passou…

 

com o curso praticamente terminado, percebeu que, se quisesse ir mais além… teria de fazer novos sacrifícios, de pedir e aceitar mais favores.

mais uma vez, a sombra da morte apanha-o de surpresa… um avô e a sua madrinha morrem com intervalo de uma semana, de formas inesperadas e mais uma vez se sente destruído por dentro.

coincidência ou não, uma mazela insuspeita deixada pelo acidente leva-o de volta ao hospital em risco de vida e, como se costuma dizer, é por milagre que sobrevive.

a conclusão do curso fica adiada e novas descobertas de infidelidades da esposa tratam de “acabar” com o que resta.

 

tudo ao mesmo tempo…

um processo violento em tribunal, o processo de divórcio e duas “leituras de testamento”, do avô e da madrinha, que deixa quase inteiramente nas mãos do Amigo.

anda completamente “desvairado”, só quer trabalhar, “demitir-se” de tudo o mais e que o deixem em paz.


aí… comete demasiados excessos e o que lhe vale é ter um Amigo realmente íntegro, que lhe suporta a irascibilidade e mesmo a estupidez, que o confronta com sabedoria e o (re)orienta… que lhe trata do divórcio em tempo recorde, “segurando pontas”, adiantando aqui e atrasando ali, cortando vazas a oportunistas e assegurando-lhe o melhor interesse.

 

ora danado, ora desenraizado, ora alheado… é como um “autómato” que comparece às obrigações que o Amigo lhe marca.

tudo lhe é confuso, hipócrita, agressivo, calculista, chantagista…

 

até que finalmente, no espaço de uma semana, “cai em si”, toma noção da reviravolta radical na sua realidade.

está só, divorciado, com dívidas consolidadas, com emprego, com um curso quase terminado, com duas heranças na mão… com três amigos de verdade e a família a apoiá-lo.

foi como se um elevador que subia lenta e inexoravelmente se tivesse despencado subitamente no chão… como se tivesse descido um silêncio por sobre todo o mundo.

mas algo não batia certo…


as únicas coisas que lhe ocorriam eram, que podia acabar o curso como entendesse, sem mais críticas e recriminações e… que apenas desejava que o deixassem em paz.

não sentia porém, no seu íntimo, nenhum júbilo por essas coisas, dava por si a chorar em silêncio, sem razão aparente, sem saber se era pelas venturas ou pelas desventuras – simplesmente, sentia-se... a chorar de repente.

 

o seu novo patrão, surpreendentemente, dedicou-lhe uma tolerância e uma compreensão que, como “patrão”, não lhe incumbia e… acabou tornando-se um amigo.

um amigo que, muito honestamente, ele não merecia naquele momento, que indubitavelmente Amigo se tornou ao persistir nele e por ele.

 

a sua vida profissional (o seu desempenho principalmente) era uma manta de retalhos que ele “mantinha”… não “desenvolvia”, estava longe de ser bom profissional.

mas… ia-se recompondo e ia compensando.

já por oposição, a sua vida afectiva descia pelo cano abaixo, restringindo-se apenas aos familiares mais próximos e quase por “obrigação”.

 

depois de vários meses literalmente “monásticos”, enveredou pela vida nocturna totalmente desregrada… álcool em cascata, sexo de qualquer forma e feitio, umas “drogazitas” leves só para “brincar”…

descobrir que o seu melhor amigo desde a infância, quase um irmão, lhe havia também andado a “comer a esposa arrependida”, já depois de ele a aceitar de volta, no próprio leito “conjugal” e até mesmo enquanto estivera no hospital… foi como ligá-lo a um reactor !...

 

sentiu-se o ser humano mais “fodido” do planeta, a quem toda a gente sodomizava e defecava em cima de seguida!...

mulheres… eram todas putas ; homens… todos uns filhos delas ; amigos… eram uma miragem…

mergulhou em ódio, em raiva, em auto-comiseração… foi hipócrita, cínico, hostil, pelo puro prazer de assim se sentir, do poder em o ser... de se vingar, não importava de quem...

desapareceu de junto da família, dos verdadeiros (poucos) amigos…

amigalhaços eram às resmas, mulheres aos cachos, álcool, drogas e sexo em catadupa, ia da “noite” para o trabalho, passando pelo duche e pelos comprimidos.

era um suicida latente que rosnava como um doberman a quem disso o avisava...

 

uma manhã soalheira… acordou novamente em cama de hospital.

a primeira pessoa que viu, foi a mãe… e a pior dor que sentiu, foi vê-la com um ar de cadáver !


 

 


 "man" - arte de Fiona Robson


[ º º º ]


tempos depois, provavelmente numa outra manhã mas de luz leitosa…

acordou em casa, num silêncio absoluto...

tinha o seu almejado curso tirado com o seu esforço e não com facilidades dadas por heranças… tinha o emprego que “amigo/patrão” lhe segurara, tinha dele também a proposta para um novo emprego mais aliciante… tinha uma família firme e três crianças maravilhosas… tinha poucos amigos mas bons, um dos quais um autêntico paladino… tinha o corpo curado… tinha bens e dinheiro.

e muito importante… tinha a sua auto-estima !

 

estranhamente… sentiu alegria por ter sido um “merdas”.

e resolveu fazer de si aquilo que sempre havia querido ser, fazer as coisas que sempre havia querido fazer e a vida que merecia e que devia ter.

 

talvez tudo isto, pensarão vocês, desse um bom filme…

talvez  um melodrama daqueles à Bollywood ?!...

...okay, poderá ser… mas arranjem outro “actor”, que este gajo não quer reviver o papel !...


quer viver e isso… é sempre para a frente, sem fitas !

 



adaptação de fotografia de  Chris Howells


 


nem tudo se consegue apenas porque se tem dinheiro…

mas muita coisa se consegue se tivermos coragem em vários aspectos !

se temos quem pareça apostado em destruir-nos a vida…

temos de prestar atenção e dar o devido valor a quem nos quer ajudar.

se ficarmos encerrados em vitimização

acabamos realmente vítimas, mas de nós próprios !

se por cada mal que nos fazem,

quisermos honestamente fazer um “bem” a alguém…

ao invés de apenas arquitectarmos vinganças e desprezos…

se conseguirmos voltar a gostar de nós próprios…

se conseguirmos voltar a aceitar a mão de alguém…

conseguiremos voltar a acreditar em muitas coisas

de que, realmente, não podemos prescindir !

inevitavelmente iremos crescer, amadurecer e viver !

“sobreviver” é um estágio… não um fito, esgotado em si próprio !

porque muitas das vezes em que achamos que “perdemos a vida”…

é apenas sinal de miopia...

de nem sequer olharmos ao nosso redor...

e de cedermos ao “já não acredito” !

 

talvez que o melhor voto que vos possa dedicar,

neste ano novo ou em qualquer outro, seja tão simplesmente…

que acreditem em vocês próprios.

 

 

 

este artigo é para todos vós…

que aqui me vêm ler com assiduidade e que,

de alguma forma, sinto gostarem de mim.

mas peço-vos que não me entendam mal...

por vir a fazer algumas dedicatórias.


 


sinto-me: ( ... )
música: Nasce Selvagem - (Delfins)

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 37 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.tags

. todas as tags

.ESCOLHIDOS

. Alguma vez amaste uma mul...

. Trintonas e boas!

. Destinatário Ausente (Ree...

. O perfil masculino ideal ...

. Deixem as crianças em paz...

. raríssimas

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

SAPO Blogs

.subscrever feeds