Quarta-feira, 27 de Junho de 2007

Tânia - uma mulher (parte 3 de 3)




subimos ao quarto.

apressado, com ela colada às minhas costas – uma mão dentro da minha camisa, outra dentro das minhas calças – tentei repetidamente abrir a porta do quarto.

nunca o abriria – estávamos no 3º andar, o meu quarto era no 4º.

ela quase caía no chão a rir – passavam já das duas da manhã.

 

eu de tenda armada, ela querendo furar o vestido com os mamilos, ambos em desalinho.

não nos cruzámos com ninguém, felizmente.

entrados finalmente no quarto certo, não passámos do hall.

foi logo ali – ainda o trinco não fizera clic – que nos explorámos na voracidade de mãos e bocas, sapatos e roupas voando.

prioridades prementes – eu queria aquelas mamas, ela a minha verga.

encostou-me à parede, engoliu-ma de uma assentada – ganhou-me o 1º round.

(vi estrelas)

 

naquela posição, um homem quase não explora o corpo de uma mulher.

(não sendo que tenha o dobro de braços ou se incline de forma desconfortável sobre ela)

cada vez que tentava mudar a posição, ela engolia-me até ao fundo e deixava-me sem forças.

manietou-me completamente.

estive prestes a vir-me por algumas vezes e tive de a refrear.

adoro um broche e ela era exímia

mas queria-a e ainda mal lhe tocara.

impus o corpanzil, puxei-a para cima, procurei-lhe a boca com sofreguidão, peguei nela, levei-a para a cama, rocei-lhe a verga pelas pernas, pelas ancas, pela púbis, deliciei-me finalmente com aquelas mamas grandes e firmes, apalpei-a de alto a baixo

quando lhe quis a mão entre as pernas enquanto lhe chupava os mamilos, apertou-as, negou-se-me e riu-se, riu-se……

(sacana!!!)

- tás a gozar-me, sacana… não tás?

 (mas esquecia-se... que é quase metade de mim – sou muito tamanho para sacanear)


agarrei-lhe os pulsos acima da cabeça.

lambi-lhe os sovacos perfumados.

pus-me por sobre aquelas mamas lindas.

rocei a verga tesa nelas – entre elas – a glande nos mamilos.

riu-se, gemeu, debateu-se, tentou abocanhar-ma – não deixei.

tinha uma vontade terrível de lha enfiar na boca rubra – mas não cedi.

provoquei-a e tornei a provocá-la.

sempre a agarrar-lhe os pulsos, rodei para o seu lado.

fui descendo naquele corpo lindo.

beijando, lambendo, mordiscando.

larguei-lhe os pulsos, agarrei-a pela cintura, enfiei-lhe a língua no umbigo.

“passou-se !”

ria, guinchava, soprava, ria, contraía-se, soluçava, puxou-me pelos cabelos, tentou fugir ao meu abraço, girar sobre mim – não deixei.

 

a minha mão encontrou o caminho entre as pernas que já não ofereceram resistência.

húmida …… como seda encharcada.

quente – quente – tão enlouquecedoramente quente.

- fode-me, fode-me

- não …… ainda não

 

a púbis, linda, mesmo à medida da minha mão.

os meus dedos brincaram dentro dela – o polegar massajando o grelo proeminente.

enquanto lhe chupava e lambia sem tréguas os mamilos duros.

estava quase ao meu colo – sentia a minha verga rija a roçar-se, repleta de tesão, mas não lhe conseguia tocar.

queria-a assim – nas minhas mãos – eu só para ela.

 

no ponto – fui lamber aquela cona tão apetecível, depilada a preceito, recentemente.

(tu não és “febra” nenhuma – tu és o requinte do Sushi)

tentaste rodar para um 69 – tornei a não deixar.

 

primeiro, delicadamente – depois, num crescendo com vigor – debaixo para cima, lentamente de novo, chupando o grelo suavemente, enfiando a língua, dedos entrando e saindo, novamente com vigor, quase fúria, prendendo os teus lábios com os meus, puxando levemente, dedos de novo, um, dois, lambendo para os lados, em redor, devagar, rápido, soprando o grelo, lambendo-o, chupando, mais um dedo, botão de rosa e por todo o caminho até cá acima – fodi-te com a língua.

rosnavas, gemias, parecias chorar, contraíste-te, relaxaste, contraíste-te de novo, suplicavas e gemias, gemias.

de repente – todo o teu corpo de convulsionou, em réplicas, em vagas – o teu sabor mudou, mais agridoce ainda – intensifiquei o minete quando parecias querer fugir.

vieste-te a praguejar – música para os meus ouvidos.

 

ao contrário de outras

não te entregaste ao deleite lânguido.

vieste para mim, cara de predadora, empurrando-me com fúria.

fiquei de costas, surpreso, ainda a saborear o teu gosto na minha boca.

parecias danada comigo – enfiaste a camisa num ápice, quase à bruta.

não tive tempo para pensamento algum.

pulaste sobre mim, cravaste a cona na verga que fremia de desejo.

estavas uma fornalha – não houve músculo meu que não se contraísse.

urrei, rangi os dentes, crispei os punhos.

quis espremer-te as mamas – foi a tua vez de não deixares.

quis fincar-te as nádegas – não deixaste – pagaste-me a agonia.

as tuas mãos faziam uma força irreal no meu peito, o teu cabelo caía-me sobre a cara, saltavas na verga que te comia, arranhavas-me, arrancaste-me pêlos, guinchei, não via nada, todos os sons se distorceram, animalescos, o ar ficou com gelatina, denso…

- esporra-me, esporra-me, gritavas

e eu a “agarrar-me” a um fio, mais fino que um cabelo.

aquele zumbido monstro na minha cabeça, o fervilhar no ventre e tu pulando sem dó, incansável, inexorável, para - de repente – te encavares toda, com força, até à raiz da verga torturada e dares à anca furiosamente.

 

o quarto explodiu, a minha boca escancarou-se num urro mudo, à beira do abismo agarrei-me às tuas mamas, arqueei nos rins erguendo-te cravada em mim, comigo, num estertor ...... e explodi então.

 

quando "regressei" …… o meu urro de besta vencida pairava ainda no ar, sentia as gotas do teu suor chovendo no meu peito, o teu cabelo negro fazendo colagens no meu rosto, o suave vai-vem do teu corpo ainda fundido no meu.

- oh deus!... – murmuraste tu, diluída num quente expirar.

 

puxei-te para mim, abracei-te como se fosses porcelana.

passeei as mãos pelas tuas costas encharcadas, pelas nádegas redondas que ainda impunham movimento.

as tuas mamas esmagadas contra mim, o teu rosto junto ao meu – era um segundo êxtase.

beijei-te – beijei-te – beijei-te

 


lentamente, afrouxou o teu movimento – apenas restavam palpitações.

subias e descias agora ao sabor do meu respirar.

senti o teu expirar quente tornar-se longo, profundo.

o teu peso fazendo-se sentir melhor.

espreitei o teu rosto e ri-me devagarinho.

dormias.

acariciei-te o cabelo – deixei-te a passear em terra de anjos.


 

que mulher!!!

lembro-me de pensar com um sorriso.


 


 


sinto-me: deliciosamente exausto
música: Caçada - (Chico Buarque)

publicado por sextrip às 13:59
link do post | comenta a Trip | adicionar aos escolhidos
16 comentários:
De T.M.S. a 27 de Junho de 2007 às 16:07
Estou














muda





De sallyzinho a 27 de Junho de 2007 às 16:58
que dizer. dificil, a escrita é excelente. parabéns. adorei.
sally


De filipe a 27 de Junho de 2007 às 16:59
adorava conhecer a Tania, pois fiquei muito hot com esta historia e gosto de mulheres com elas bem grandes


De Maaf a 27 de Junho de 2007 às 17:08
estou..... excitada....
és um impressionante

.... escritor ....



De madeirensemarafada a 27 de Junho de 2007 às 17:37
aii eu acho que nem chega ao 4º era logo alí nas escadas;)beijos doçes


De Someone Else a 27 de Junho de 2007 às 18:49
faço minhas as palavras da tânia

muito bom... fogo, espero no fim de semana ter uma aventura assim ;)

bjo


De sexy_hot a 27 de Junho de 2007 às 20:24
"Oh deus" - digo eu agora.
Txiiii... que tesão louco... minha nossa...
Aiii... fiquei... nham... aiiii... (a minha alma está parva e o meu cérebro já nem consegue pensar)
Vou ali... matar o desejo e já volta...

QUE COISA...


De T.M.S. a 27 de Junho de 2007 às 22:46

Assim escrito é como se tivesse sido ontem. Revivi tudo. Não sei como fazes, não me lembro que tivesses um video contigo porque: como te lembras de tanto pormenor ? De eu ter ido ao balcão e já não me ter sentado, de ter achado estranho não me pedires o meu nºdo tlm. Até jurava que as nossas palavras foram mesmo estas. O meu vestido azul e a jaqueta com rosas negras. Céus. Conforme te fui lendo, as memórias vieram claras como água, mesmo as pequeninas coisas.
Tu és perigoso. Porque me deixas nostálgica. Mas como a maaf disse és impressionante e deixaste-me maravilhada.Adorei Zé.
Tudo o resto e todas as outras palavras: tu já sabes.
Outro beijo daqueles que fez estalar a noite.


De sextrip a 28 de Junho de 2007 às 12:28
tu sabes como é a minha memória fotográfica - não preciso de máquinas vídeo nenhumas, lol lol lol
assim como também sabes que há pessoas que me são marcantes e que és uma delas.
º
não digas isso - não sou "perigoso".
mas supondo que o sou.
nesse caso, que és tu então?!? lol lol lol
º
fico feliz por teres adorado - eu adorei deixar-te "muda".
vai-me lendo.

muito beijos


De lady_xxx a 28 de Junho de 2007 às 22:24
Não te conhecêmos mas muitos jinhos para ti.
x muitos


De T.M.S. a 27 de Junho de 2007 às 22:49
Cuidem bem deste homem. De vez enquando venho cá dar beijocas a vocês todos e todas.


De sextrip a 28 de Junho de 2007 às 12:35
p/ Sallyzinho
agradeço - volta mais vezes.
º
p/ Filipe
para conheceres a Tânia não basta ficares HOT - tens de ficar RED HOT CHILI PEPPERS.
º
p/ Maaf
excitada ...... isso é bom!
(lá rapaz vai ter muito que fazer, lol lol lol)
beijos
º
p/ Madeirense Marafada
as escadas fazem-me mal às costas - são mais dadas a rapidinhas.
ora nós queríamos um banquete e não um "snack".
beijos
º
p/ Someone Else But Me
espero bem que sim, que tenhas essa aventura.
beijos
º
p/ Sexy Hot
lol lol lol - era giro se a nossa história gerasse uma catadupa de posts acalorados noutros blogs.
era mesmo!
beijos


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 37 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.a vingança dos ursinhos...

.piaçaba

badge

.tags

. todas as tags

.ESCOLHIDOS

. Alguma vez amaste uma mul...

. Trintonas e boas!

. Destinatário Ausente (Ree...

. O perfil masculino ideal ...

. Deixem as crianças em paz...

. raríssimas

.links

.já tiveram uma trip

contador de visitas
contador de visitas

.em trip neste momento

online

.olha as horas !!!

relojes web gratis

.petição contra encerramento do Hospital Dona Estefânia

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

SAPO Blogs

.subscrever feeds